02/07/2005 11h31 - Atualizado em 02/07/2005 11h31

Prefeitura recadastra beneficiários do Renda Mínima

 

Diário de S.Paulo

Começa na segunda-feira o recadastramento para o programa Renda Mínima, da Prefeitura de São Paulo. Até novembro, a Prefeitura pretende recadastrar 200 mil famílias - 122.749 mil beneficiárias do Renda Mínina que completam dois anos no programa e 78 mil do Bolsa Família, do governo federal. Atualmente, o Renda Mínima atende a 179 mil famílias. Com o recadastramento, a Prefeitura planeja evitar que pessoas que não atendam as características estabelecidas pelo programa continuem recebendo o benefício. Cada uma das famílias beneficiadas recebe entre R$ 30 e R$ 330. A Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social está enviando uma carta de convocação para todos os beneficiários do Renda Mínima. De posse da carta, a pessoa deverá comparecer ao local indicado com o RG de todas as pessoas da família que vivem na mesma residência, carteira de trabalho dos maiores de 16 anos, CPF ou título de eleitor, comprovante de residência e matrícula escolar dos filhos com idades entre 7 e 15 anos. Segundo levantamento feito pela Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social, apenas 21% das famílias atendidas estão dentro das especificações da lei que criou o programa, pois vivem em regiões onde o índice de vulnerabilidade social é alto e muito alto. Com o recadastramento, a secretaria pretende focar melhor o atendimento. Apesar disso, o secretário Floriano Pesaro afirma que não haverá mudanças sem antes ocorrer uma verificação do cadastro. - Não vamos excluir ninguém sem saber as condições em que a família se encontra - diz Pesaro. Outro objetivo da secretaria é que, após o recadastramento, possa haver uma interface maior entre os programas de transferência de renda da União (Bolsa Família), estado (Renda Cidadã) e do município. Segundo o secretário Floriano Pesaro, em 2006, o Bolsa Família vai atender a 260 mil famílias na Capital. Atualmente, são 78 mil contemplados. Além disso, também haverá um aumento no número de pessoas atendidas pelo programa Renda Cidadã, que passará das 17 mil famílias atuais para 34 mil. - Vamos distribuir melhor os benefícios e aumentar o número de pessoas favorecidas - explica. A Prefeitura também pretende alterar as exigências para o ingresso no programa. Além da freqüência escolar, a administração municipal também pretende exigir que as crianças participem do programa Pós-Aula. - Isso é importante para assegurar que as crianças fiquem fora das ruas - diz.