16/06/2017 16h58

Há 22 anos Orquestra de Violeiros canta o Mato Grosso do Sul e encanta

Nascida no Centro de Ensino Artístico de Três Lagoas (CEATL), grupo se fortalece no município como referência no Estado e em todo o país

 
Guta Rufino
 
Foto de uma das primeiras formações da Orquesta de Violeirosde Três Lagoas. Na fila superior, do lado esquerdo, Cidinha Mariano (Foto: Arquivo Pessoal) Foto de uma das primeiras formações da Orquesta de Violeirosde Três Lagoas. Na fila superior, do lado esquerdo, Cidinha Mariano (Foto: Arquivo Pessoal)

A Orquestra de Violeiros de Três Lagoas é um dos maiores ícones culturais de representação de município não apenas no Estado, mas em todo o território nacional.

Nascida há 22 anos, em 1995, no Centro de Ensino Artístico de Três Lagoas (CEATL), a orquestra já fez parte do departamento de cultura da SEMEC (Secretaria de Educação e Cultura do Município), e no início deste ano, retornou ao lar onde tudo começou.

Composta por 20 membros, a Orquestra dos Violeiros tem como coordenadora a maestrina e também presidente da associação, Cidinha Mariano, 57, três-lagoense conhecida por ser referência quando o assunto é música e cultura popular. O grupo canta além de música raiz, caipira, cancioneiro, o Som do Pantanal. "Délio e Delinha, Tostão e Guarani, Geraldo Espindola, Paulo Simões, entre outros cantores sul-mato-grossense", detalhou.

E a orquestra de violeiros é tão eclética quanto sua maestrina. Apaixonada pelo bom e velho Rock n’ Roll, Cidinha conta que no repertório sempre tem um som alternativo. "Tocamos Raul Seixas. Todos adoram". E as idades também são variadas. Entre os membros, tem violeiro de 8 anos, como é o caso de Reynaldo Viola, e Maria Mariano da Silva, 81 – mãe de Cidinha.

Ter fundado a orquestra e continuados os trabalhos com ela fortaleceu para que toda a família e Cidinha também fizesse parte, assim como no CEATL, onde junta de suas duas filhas, ministra aulas de música. "Pra mim a orquestra vai muito além de um resgate cultural. É um filho. Ela existe há mais tempo que minha filha mais nova tem de idade. Dela faz parte minhas filhas, minha mãe, meus primos, sobrinhos. A orquestra é minha vida", descreveu.

 
Foto antiga de outra formação da Orquestra de Violeiros (Foto: Arquivo Pessoal) Foto antiga de outra formação da Orquestra de Violeiros (Foto: Arquivo Pessoal)

"Pra mim a orquestra vai muito além de um resgate cultural. É um filho"

— Cidinha Mariano

São 35 anos de carreira. Desde os 22 anos envolvida com música, Cidinha é formada pela Unip em Música e Tecnologia, além das formações em: piano, violão, teclado, canto, regência, e especialização em gestão cultural. Ela também trabalhou por mais de 13 anos no departamento de cultura municipal com música e cultura popular.

Com a agenda lotada de apresentações para os meses de junho e julho, quando acontecem as tradicionais festas Juninas e Julinas, a orquestra de violeiros ensaia todas as terças-feiras, no CEATL. "Por enquanto estamos cobrando um cachê simbólico nos eventos, já que é nosso único recurso financeiro. Quem tá envolvido com a orquestra faz porque ama, e porque temos esperanças que dias melhores virão", disse próspera quanto ao futuro da Orquestra de Violeiros.

Cidinha também não esconde o anseio de tornar a associação em utilidade pública estadual. "Porque assim vamos poder ampliar o poder de ação da orquestra com a receita estadual, com a Fundação Estadual de Cultura. Precisamos ser reconhecidos pelo trabalho que desenvolvemos para a sociedade", pontuou. Nas viagens que fazem para se apresentar em outras cidade, a Orquestra de Violeiros usa do cachê, ou até mesmo de recursos próprios – de cada um -, para participarem dos eventos. "Transporte, uniformes, instrumentos, cada um colabora para que aconteça", disse Cidinha.

AULAS E ENSAIOS

Os ensaios acontecem às terças-feira, a partir das 19h. De acordo com a coordenadora da orquestra, há vagas disponíveis para quem já toca o instrumento. Para aqueles que querem aprender, o CEATL, possui uma variedade de cursos de música para iniciantes.

Os interessados em saber mais sobre a Orquestra de Violeitos e o CEATL podem entrar em contato com Cidinha Mariano pelo telefone (67) 9 9253-2732.

AGRADECIMENTO

Cidinha relembra os parceiros que contribuíram tanto para a existência quanto para a permanência da Orquestra de Violeiros. "Se não fossem eles eu teria parado. Tenho um agradecimento Especial por terem me ajudado. Por terem me dado a mão e dito: não podemos parar". Entre os nomes citados por Cidinha estão: Jail Brasil João Batista, Jonas Vasque, Eunice, Pablo Marques, Paulo Almeira, Leandro Borgert.

Envie seu Comentário