09/08/2018 16h14

Suzano e Fibria marcam assembleia de acionistas para tratar de fusão

Na reunião, será deliberada a operação de troca de ações que culminará na combinação de negócios das duas produtoras de celulose.

 
Redação
 
Fibria. (Foto: Divulgação).
Fibria. (Foto: Divulgação).

A Suzano e a Fibria convocaram para 13 de setembro uma assembleia geral extraordinária (AGE) para os acionistas das duas empresas, mostram editais publicados na manhã desta quinta-feira. Na reunião, será deliberada a operação de troca de ações que culminará na combinação de negócios das duas produtoras de celulose.

A data foi marcada pelas companhias depois que a Securities and Exchange Commission (SEC), regulador do mercado de capitais americano, aceitou o registro de recibos de ações (ADRs), ontem. Uma assembleia também foi chamada para a Eucalipto Holding, criada para absorver a base acionária da Fibria.

O edital é mais um passo formal em direção à fusão entre as empresas, anunciada em março. Além do aval dos acionistas, as companhias esperam o sinal verde de órgãos de defesa da concorrência -- até agora, apenas os Estados Unidos aprovaram a união -- e outros reguladores.

A operação será feita com um aumento de capital da Eucalipto Holding, que observará o limite de subscrição de 61% do capital ordinário e 44% do total pela Suzano. As ações da Fibria, então, serão incorporadas, com a substituição de uma ação ordinária por outra também com direito a voto e mais uma preferencial da holding.

A Eucalipto foi escolhida como o veículo intermediário da fusão, por meio do qual a Suzano pagará a parcela de R$ 29 bilhões em dinheiro aos investidores da Fibria, ou R$ 52,50 por ação, ainda sem considerar a variação do CDI desde 15 de março. O laudo de avaliação dos papéis da Fibria fica a cargo da consultoria Ernst & Young (EY) e o da Eucalipto, da PricewaterhouseCoopers (PwC).

Pelos cálculos das duas empresas, o custo da operação chegará a R$ 97 milhões, considerando a elaboração e publicação dos atos societários e as despesas com honorários de diversos profissionais contratados.

Em comunicado divulgado na manhã de hoje, as companhias explicam que os acionistas da Fibria terão direito de retirada pelo valor contábil dos papéis, de R$ 26,36. Ele poderá ser exercido pelos investidores que sejam contrários à combinação, não comparecerem à AGE ou se abstiverem do assunto, e se manifestem a respeito até 30 dias após a publicação da ata do encontro.

(*) Valor Econômico

Envie seu Comentário