20/03/2017 13h43

Segundo suspeito de matar e acorrentar mulher à cama é preso em Rio Preto

Polícia encontrou suspeito no bairro Gonzaga de Campos. Ele estava com saúde debilitada e foi levado para UBS

 
Da Redação
 
Suspeito de matar Simone é colocado em maca em Rio Preto; ele foi encontrado em uma mata e, debilitado, foi levado para UBS (Foto: Arquivo Pessoal) Suspeito de matar Simone é colocado em maca em Rio Preto; ele foi encontrado em uma mata e, debilitado, foi levado para UBS (Foto: Arquivo Pessoal)

A polícia Militar prendeu na manhã desta segunda-feira (20) o homem suspeito de ter matado e acorrentado seminua à cama uma mulher em São José do Rio Preto (SP). O crime aconteceu no domingo (12) e na semana passada, um primeiro suspeito já tinha sido preso.

De acordo com a polícia, o homem preso nesta segunda-feira estava no bairro Gonzaga de Campos. Segundo a polícia, ele foi encontrado escondido atrás de uma empresa e não resistiu à prisão. Por causa do estado debilitado que foi encontrado, ele foi levado para uma unidade básica de saúde para ser atendido.

O homem preso é Francisco Lopes Ferreira. A vítima, Simone Facini de Moura Lopes, ia até a chácara do suspeito para ensiná-lo a ler e a escrever por meio de textos bíblicos. Na sexta-feira, a Polícia Civil pediu um mandado de prisão e foi aceito pela Justiça. Por isso, o homem deve prestar depoimento e ser preso. Primeiro preso

A Polícia Civil prendeu na sexta-feira (17) um suspeito de ter matado Simone . A prisão é temporária e vale por 30 dias. O suspeito, identificado como Juvenal Pereira dos Santos, de 47 anos, foi preso próximo à chácara onde mora e aconteceu o crime.

No local, ele morava com Francisco, de 64 anos, que estava desaparecido desde o dia do crime e também é considerado suspeito pela polícia. Apesar de negar ser o autor, para a polícia foi Juvenal quem matou Simone de Moura Facini Lopes, de 31 anos.

O crime

A vítima frequentava a chácara, onde foi encontrada morta e acorrentada à cama, há cerca de quatro meses. Segundo a família, Simone ensinava o homem de 64 anos, a ler e a escrever. No domingo (12), dia em que foi morta, ela daria aula para ele de ensino religioso.

Segundo os familiares, Simone saiu de casa às 11h e, no final da tarde, ainda não tinha voltado. A família ficou preocupada, e o marido foi até a chácara, mas o crime já tinha acontecido.

De acordo com o boletim de ocorrência, Simone estava seminua e foi presa com correntes que prendiam pés e mãos, todas fechadas com cadeados. A vítima ainda tinha ferimentos graves na cabeça. Uma marreta com marcas de sangue, possivelmente usada no crime, foi apreendida.

Segundo a polícia, Juvenal, que também mora na casa, foi quem chegou primeiro na cena do crime e chamou a polícia. Ele entregou aos investigadores a marreta. Já o aposentado que recebia a ajuda de Simone não estava no local e continua desaparecido. A perícia científica foi para o local junto com os primeiros policiais e coletou materiais que podem ajudar a identificar o autor do crime.

(*) G1

Simone foi encontrada acorrentada em cama (Foto: Reprodução/Facebook) Simone foi encontrada acorrentada em cama (Foto: Reprodução/Facebook)

Envie seu Comentário