20/03/2013 09h50 - Atualizado em 20/03/2013 09h50

Militar aposentado foi morto para atender ordem do chefão do PCC em Três Lagoas

Titular da 2ª Vara de Três Lagoas expede 18 mandatos de prisão e 11 já foram cumpridas pelos policiais que investigam a execução de militar aposentado

 

Ricardo Ojeda

 
Diligências dos policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Três Lagoas capturam Fernando Rodrigue Monteiro (blusa verde) e Jonathan dos Santos Avelino, preso na madrugada de terça-feira (Foto: Ricardo Ojeda) Diligências dos policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Três Lagoas capturam Fernando Rodrigue Monteiro (blusa verde) e Jonathan dos Santos Avelino, preso na madrugada de terça-feira (Foto: Ricardo Ojeda)

Uma força tarefa composta de policiais de Três Lagoas e de Campo Grande conseguiram elucidar o crime que teve como vítima o policial militar aposentado, Otacílio Pereira de Oliveira, assassinado quando chegava em sua residência na noite de quarta-feira, no ultimo dia 6 deste mês.

O crime ocorreu por volta das 22h30, e de acordo com testemunhas quatro pessoas participaram da ação criminosa. Após investigações do serviço de Inteligência e da P2, os policiais conseguiram descobrir os autores do homicídio, inclusive acrescentando mais um elemento que participou da execução, atuando como motorista para os quatro comparsas, elevando para cinco a composição dos executores direto do homicídio.

 
O delegado titular do segundo Distrito Policial, Rogério Fernando Market Faria comanda as investigações em Três Lagoas e falou com exclusividade à reportagem do Perfil News (Foto: Matheus Bernardes) O delegado titular do segundo Distrito Policial, Rogério Fernando Market Faria comanda as investigações em Três Lagoas e falou com exclusividade à reportagem do Perfil News (Foto: Matheus Bernardes)
 
Fotos dos marginais presos pela DIG foi liberada à imprensa pela polícia (Reprodução) Fotos dos marginais presos pela DIG foi liberada à imprensa pela polícia (Reprodução)
 
O sobrinho que participou da execução da vítima, Cleverson Messias Pereira dos Santos, vulgo Cabelo, foi preso pelos policiais da Garras quando fugia para Bolívia (Foto: Record MS) O sobrinho que participou da execução da vítima, Cleverson Messias Pereira dos Santos, vulgo Cabelo, foi preso pelos policiais da Garras quando fugia para Bolívia (Foto: Record MS)
 
O última prisão feita pelos policiais foi de Jair Costa da Silva, vulgo “Perturbado” de 32 anos, preso em Jales (SP)


O última prisão feita pelos policiais foi de Jair Costa da Silva, vulgo “Perturbado” de 32 anos, preso em Jales (SP)


PLANEJAMENTO

Foi descoberto que o planejamento da ação criminosa aconteceu na casa do sobrinho da vítima, Cleverson Messias Pereira dos Santos, vulgo cabelo, foragido da colônia penal de Campo Grande e um dos principais integrantes da facção criminosa, PCC (Primeiro Comando da Capital). Cabelo estaria atendendo ordens do chefão, Marco Barbosa, o Pinduca que está preso em Campo Grande.

A ação e reação imediata de polícia, que na mesma noite iniciou as investigações fora decisiva para elucidação do crime.

No seguinte após a ocorrência, policiais da Ciggoe (Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais) e da Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assaltos e Sequestros) e do Serviço de Inteligência se deslocaram para Três Lagoas para ajudar nas investigações.

 
Policiais da PM de Três lagoas fizeram um grande arrastão para descobrir o paradeiro dos integrantes da quadrilha (Foto: Ricardo Ojeda) Policiais da PM de Três lagoas fizeram um grande arrastão para descobrir o paradeiro dos integrantes da quadrilha (Foto: Ricardo Ojeda)

COLABORADOR DA QUADRILHA

No período da tarde, por volta das 15h30, através de informação do Serviço de Inteligência, os policiais se dirigiram à residência de Weligtom Rosa da Silva, (Bodão) no bairro Paranapungá, mas foram recebidos a tiros, onde Weligton foi ferido com vários tiros e morreu quando deu entrada no hospital.

As investigações apontaram Weligton como elemento que deu apoio a ação dos marginais.

A partir disso, os policiais conseguiram elucidar toda trama que vitimou o ex-policial, descobrindo a participação de uma quadrilha de 18 elementos compunham o bando que planejou e execução de Otacílio. O bando era chefiado por Marcos Barbosa, (do alto escalão do PCC), que mesmo em regime fechado, comandava e orientava as ações do bando. A morte de Otacílio foi uma resposta à transferência de alguns presos para presídio federal. Quem decidiu a morte do ex-pm, foi seu sobrinho Cabelo, que para ele, Otacílio seria apenas um alvo fácil para mostrar serviço ao chefão do bando.



INTEGRAÇÃO DAS POLÍCIAS

De acordo com o delegado titular do 2º DP, Rogério Fernando Market Faria, responsável pelas investigações, a prisão dos elementos aconteceu devido à união de vários segmentos policiais, bem como da promotoria e do Poder Judiciário que atenderam rapidamente expedindo mandado de prisão contra os envolvidos.

PRISÕES

O primeiro elemento presos pelos policiais, foi Thiago Cintas Bertalia, vulgo Gianechini. A ação conjunta da equipes da Ronda Ostensiva Tática do Interior (Rotai) e da Cigcoe (Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais), chegaram à residência do envolvido, na rua José Marciano Pereira, no bairro Novo Aeroporto, que resistiu à prisão, mas foi dominado pelos policiais.

Esse elemento foi apontado pelos policiais como o responsável pela logística do PCC em Três Lagoas.

O segundo integrante da quadrilha que participou da execução a ser preso foi Cleverson Messias Pereira dos Santos, vulgo Cabelo. No dia 11, ele foi encontrado por policiais da Garras no interior de uma van, quando seguia para Bolívia usando documentos falsos, mas foi reconhecido por um policial. Ele foi levado para a sede da Garras em Campo Grande, onde prestou depoimento, esclarecendo a sua participação direta na execução do seu tio, utilizando uma pistola 380.

Foi através do depoimento de Cabelo, é que a polícia conseguiu apreender a arma que estava guardada na residência de um parente seu, dentro de uma lata de tinta.

No dia seguinte, 12, policiais conseguiram prender João Carlos Olegário da Silva, conhecido por vários apelidos, “AK”, “Coruja” e “Sensação”, terceiro elemento detido, integrante da quadrilha e que teve participação direta na execução do militar. AK, de 19 anos foi preso na cidade de Presidente Prudente e confessou aos policiais sua participação no crime entregando ainda outros elementos que ajudaram na execução de Otacílio. De acordo com o AK, ele usou um revólver calibre 38 para atirar no policial, enquanto os demais executores estavam armados com pistolas 9 mm e 380.

 
Enterro do ex-policial executado com quatro tiros contou com a presença dos colegas e por medida de segurança várias viaturas com policiais ficaram posicionadas em frente do cemitério municipal (Foto: Ricardo Ojeda) Enterro do ex-policial executado com quatro tiros contou com a presença dos colegas e por medida de segurança várias viaturas com policiais ficaram posicionadas em frente do cemitério municipal (Foto: Ricardo Ojeda)

QUADRILHA DESMONTADA

Com a prisão desses três elementos, foi possível desmontar a quadrilha que planejavam causar ações terroristas na cidade, pondo fogo em veículos e atentados contra agentes de segurança.

Por causa de comentários, principalmente nas mídias sociais, o clima ficou tenso em Três Lagoas, colocando as forças policiais em alerta máximo, inclusive, em algumas escolas optaram pelo toque de recolher, liberando os alunos mais cedo. Mas nada relacionado com o caso foi registrado pelos policiais, que continuaram as investigações e as diligências para prender os envolvidos no crime e os demais integrantes da quadrilha.

MEDIDAS DE SEGURANÇA

De acordo com o delegado Rogério Fernando, que comanda as investigações em Três Lagoas, os marginais que até agora foram detidos, por medida de segurança estão sendo ouvidos no 2º DP e depois encaminhados para a capital do Estado, onde os delegados do Garras, Alberto Vieira Rossi e Márcio Shiro Obara também interrogam os envolvidos.

Rogério disse ainda que as diligências estão sendo feitas por forças policiais para prender todos os quadrilha e segundo ele, é questão de tempo para colocar atrás das grades todo o grupo. O delegado elogiou ainda o trabalho da Polícia Militar, da promotoria, do juiz responsável pela Segunda Vara, que liberou rapidamente os mandados de prisões. Ele enalteceu ainda a equipe da Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos, Assaltos e Sequestros), pelo desempenho que ajudou na captura do sobrinho da vítima.

DILIGÊNCIAS

A cada dia que passa mais elementos estão sendo detidos e encaminhados para a capital do Estado. As últimas prisões aconteceram na segunda-feira, 18 e na madrugada de terça-feira, 19. Foram presos Maicon Gomes de Souza, vulgo Grego, de 20 anos, Jonathan Avelino dos Santos, conhecido como “Terrorista, Sonyc ou Tininha”, Fernando Rodrigues Monteiro vulgo Da Leste e Fabrício da Silva Almerindo, o “Du Nike”, de 20 anos. Todos eles foram ouvidos pelo delegado titular do 2º DP e encaminhados para Campo Grande.

A prisão mais recente foi de Jair Costa da Silva, vulgo “Pertubado”, de 32 anos, um dos mais importantes membros da quadrilha, inclusive participou diretamente na execução do policial. Ele foi preso na cidade paulista de Jales, no final da manhã de terça-feira, 19, numa ação da polícia daquele estado em conjunto com investigadores de Três Lagoas.

Perturbado já foi ouvido pelas autoridades local e, por medidas de segurança foi transferido para a capital do Estado.

ACESSO EXCLUSIVO

A reportagem do Perfil News teve acesso exclusivo ao processo que investiga a quadrilha, comprovou que foi montando um grande efetivo, que mobilizou agentes das polícias; Civil e Militar, bem como o setor de Inteligência, e do Serviço Reservado da PM, a P2.

Os trabalhos em conjunto dessas equipes possibilitaram na confecção de um cronograma, apontando e identificando os principais líderes da facção criminosa PCC em Três Lagoas. O processo contém centenas de páginas e tão logo seja concluído será encaminhado ao Poder Judiciário.

CRONOGRAMA DO CRIME ORGANIZADO

Através desse cronograma os policiais conseguiram prender 11 integrantes da quadrilha liderada por Marcos Barbosa, que está preso, mas liderava a quadrilha de dentro do presídio.

Os integrantes da quadrilha que estão presos e encaminhados para Campo Grande são:

01- João Carlos Olegário da Silva, 19 anos, o AK, Coruja ou Sensação

02- Cleverson Messias Pereira dos Santos, vulgo Cabelo

03- Luis Felipe Miranda Rios Saito, vulgo Jamaica

04- Douglas dos Santos Almeida, vulgo Dodô

05- Fabrício da Silva Almerindo dos Santos, vulgo Du Nike, 20 anos

06- Thiago Cintas Bertalia, vulgo, Celebridade ou Gianecchini’, de 29 anos

07- Maicon Gomes de Souza, vulgo Grego ou Elias, 20 anos

08- Jonathan dos Santos Avelino, vulgo Terrorista ou Sonic, 22 anos

09- Fernando Rodrigues Monteiro, vulgo Gordinho ou Da Leste, 21 anos

10- Marcos Barbosa, vulgo Pinduca de 35 anos, o cabeça da quadrilha

11- Jair Costa da Silva, vulgo “Pertubado” de 32 anos, preso em Jales (SP)

A ordem da relação dos nomes não indica a sequência das prisões, apenas relaciona os envolvidos presos pela polícia.

ELOGIOS

O Perfil News conversou com o delegado Regional de Três Lagoas, Vitor Lopes, que elogiou o trabalho dos policiais dizendo que a integração das polícias possibilitou chegar aos criminosos, dando uma resposta rápida à sociedade e conseqüentemente um recado aos marginais, que toda ação contra a sociedade terá uma reação à altura das autoridades policiais.


(8) Comentários

Restam caracteres. * Obrigatório
Digite as 2 palavras abaixo separadas por um espaço.
 

Agora quero ver seu pcczinho A.D.A ta na cidade vocêis só era bom quando tinha vocêis agora agente ta na city a quebrada que era de vocêis agente ta tomando tudo quero ve bate de frente que vocêis vai pula tudo.... AA..DD.AA

 
A.D.A em 09 de abril de 2013 às 11:52

nossos irmão tão preso mais nao tao morto nao, vamo por pra estrala essa três lagoas
vai morre seus verme lixo

 
Primeiro comando da capital em 25 de março de 2013 às 17:26

bandido folga porque essa lei nossa e muito boa pra quem trafica mata e vende rouba. se fosse mais rígida até com pena de morte e sem toda essa regalia que tem dentro do presidio e se tive que trabalhar pra pagar sua despesas dentro do presidio o os prejuizos que dei chão na rua queria ver vagabundo querer entrar la ...vender droga é motivo pra não trabalhar honestamente


 
felipe em 21 de março de 2013 às 20:43

Meus Parabéns aos Policiais competentes, que trabalharam incansavelmente pra colorem estes bandidos na cadeia..Aqui na Vila Piloto tem uns suspeitos que ficam no Bar da Débora( próximo ao Posto de saúde), seria muito bom ver a Polícia pegar estes engraçadinhos que ficam contando vantagens de certas coisas. Não vou revelar minha identidade, mas escutei coisas mto suspeitas aqui neste Bar. Mistérioo

 
Anônimo Feliz em 21 de março de 2013 às 20:13

seus verme vao toma no cu

 
pcc em 21 de março de 2013 às 18:17

Parabens a todos os policiais e delegados envolvidos neste caso, mostre a estes bandidos que aqui em Três Lagoas o PCC não tem vez...

 
Carlos em 20 de março de 2013 às 13:28

PARABÉNS À POLÍCIA E PELA REPORTAGEM TÉCNICA, PROFISSIONAL, SEM SENSACIONALISMO, DIFERENTEMENTE DAQUELAS QUE COSTUMAMOS VER EM TRÊS LAGOAS.

 
Cristina Camara em 20 de março de 2013 às 13:00

parabéns pela reportagem completa sem rodeios, e parabéns pra todos os policiais envolvidos em esclarecer os fatos.

 
walter em 20 de março de 2013 às 11:53