16/03/2012 17h04 – Atualizado em 16/03/2012 17h04

Ação conjunta apreende mais de duas toneladas de produtos impróprios ao consumo

Da Redação*

Em Campo Grande uma ação entre a Delegacia do Consumidor (Decon), Agência Estadual de Defesa Sanitária, Animal e Vegetal (Iagro) e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) apreendeu durante esta semana (12 a 16) mais de duas toneladas de produtos impróprios ao consumo. A ação foi realizada em Campo Grande, Sidrolândia, Rochedo, Terenos e Jaraguari. O objetivo é de coibir e a comercialização, depósito e transporte de produtos de origem animal sem inspeção e/ou irregulares impróprios ao consumo.

A iniciativa ocorre não somente nos principais acessos utilizados neste tipo de comercialização, como rodovias estaduais, federais e nas vicinais, mas também nos locais clandestinos destinados à fabricação e manipulação, fazendo com que as barreiras sejam volantes. Durante a fiscalização foram flagradas diversas situações de total descaso com o consumidor como o transporte de leites e bebidas lácteas fora da temperatura e ainda armazenados em veículos comuns ou até escondidos meio a verduras e legumes, sob temperatura alta.

Nos casos de produtos derivados do leite, o produto que não é inspecionado pode gerar danos à saúde do consumidor. Os proprietários dos produtos apreendidos foram autuados administrativamente pela Iagro e o Mapa sendo então destruídos.

A Decon reforça através destas ações que a fabricação, manipulação, comercialização e o transporte de produtos impróprios é crime contra as relações de consumo e passível de prisão em flagrante delito e sem previsão de fiança pelo Delegado de Polícia. A Delegacia ressalta que a colaboração da população através de denúncias auxilia não somente a sociedade, mas também o bom comerciante, que sofre com as más práticas daqueles que optam em comercializar produtos clandestinos.

O telefone para denúncias é (67) 3316-9805. O contato também pode ser feito pelo email – [email protected] ou pelo site www.pc.ms.gov.br. Será garantido o sigilo

(*) Com informações Noticias/MS

Comentários