De acordo com nota publicada pelo Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados, além da presença de acompanhantes aumentar o risco de transmissão da Covid, também implica em gastos extra de EPIs

Em nota divulgada hoje, 22, à imprensa, o Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados anunciou que está suspendendo, temporariamente, a entrada e permanência de acompanhantes durante a internação de gestantes, parturientes e puérperas.

De acordo com o HU a medida está em vigor desde a última quinta-feira, 18, e tem caráter temporário e emergencial “diante do momento de aceleração descontrolada da Covid-19 em Dourados”.

O HU-UFGD é referência na macrorregião para gestação de alto risco, UTI neonatal, UCI neonatal, UTI pediátrica, e possui porta de urgência e emergência na linha materno-infantil, atendendo à demanda de 33 municípios. Além disso, a maternidade do HU-UFGD é a única com atendimento SUS em Dourados.

Segundo o HU, a maternidade da unidade está atuando acima da capacidade, enfrentando frequentemente a situação de superlotação (mesmo fora do contingenciamento da pandemia), realizando em torno de 350 a 400 procedimentos obstétricos por mês.

O HU-UFGD também é referência para o atendimento dos casos de Covid-19. Apesar do atendimento aos infectados ocorrer em leitos clínicos e de UTI em ala restrita, o setor funciona no mesmo prédio da maternidade, o que aumenta o risco de contágio.

“Dourados é hoje o município com mais alta taxa de contaminação do covid-19, apresentando rápido e crescente número de casos, que já ultrapassam 1.800 confirmados. A presença de acompanhantes implica a dispensação extra de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), aumentando despesas e o consumo desses insumos imprescindíveis à segurança da assistência”, completa a nota.

Comentários