03/09/2017 16h39

Diego, de 27 anos, ainda não foi transferido para Pinheiros, e aguarda agendamento da primeira audiência de seu julgamento.

Ygor Andrade

O ajudante geral, Diego Ferreira de Novais, de 27 anos, acusado de tentativa de estupro, teve sua prisão preventiva decretada, na tarde deste domingo, após audiência de custódia realizada no Fórum da Barra Funda, Zona Oeste de São Paulo.

Segundo o juiz Rodrigo Marzola Colombini, ficaram claras a intenção e ações do réu.”Inexiste dúvida de que o indiciado constrangeu a vítima a permitir que com ela se praticasse ato libidinoso, já que o indiciado, sem a permissão ou concordância da vítima, e ainda segurando ou apertando a coxa da mesma, nela esfregou seu órgão sexual. Constranger significa forçar, compelir, coagir. […] Mesmo a vítima tentando resistir, foi constrangida, sofrendo inadmissível violência sexual. […] Estando a conduta do indiciado subsumida ao tipo penal de estupro”, escreveu o magistrado em sua sentença.

PSICOLÓGICO

A respeito das afirmações de que o rapaz tem problemas psicológicos, o Juiz entendeu que à situação cabia somente a analise do fato em si, e que esse tipo de fato imposto, será “analisado em momento processual oportuno”.

Por meio de nota, o Ministério Público informou que atuará para que Diego, “em virtude dos sinais da existência de patologia psiquiátrica, receba diagnóstico e tratamento médico adequado a fim de que não volte a delinquir.”

CUSTÓDIA

Diego ficará preso no Centro de Detenção Provisória de Pinheiros, aguardando julgamento, mas ainda não há confirmação de quando ele será transferido, na tentativa de evitar que pessoas revoltadas com o caso, tentem qualquer tipo de manifestação.

Diego ficará preso até que seu julgamento seja realizado. (Foto: Leonardo Benassato/Framephoto/Estadão Conteúdo)

Comentários