15/11/2006 11h23 – Atualizado em 15/11/2006 11h23

Folha Online

A Aeronáutica trocou nesta terça-feira o comando do Cindacta 1 (Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo), com sede em Brasília. O centro é considerado responsável pelos atrasos em pousos e decolagens ocorridos nesta semana e no mês passado.A Aeronáutica afirma que a mudança ocorreu porque o antigo comandante, coronel-aviador Lúcio Nei Rivera da Silva, foi convocado para trabalhar como assessor do brigadeiro Luiz Carlos Bueno, comandante da Aeronáutica, como assessor para assuntos ligados ao tráfego aéreo.O novo comandante é o coronel-aviador Carlos Vuyk de Aquino, que já foi comandante do Cindacta 2, com sede em Curitiba.A mudança ocorre em meio à segunda onda de atrasos em pousos e decolagens registrados em aeroportos de todo o país. Segundo o último levantamento da Infraero (estatal que administra os aeroportos do país), divulgado às 19h, 481 dos 1.355 vôos (35,5%) sofreram atrasos nesta terça. Ontem, 42% dos vôos atrasaram.A Aeronáutica nega que os operadores de Brasília tenham voltado a realizar uma operação-padrão –aumento no intervalo entre decolagens e diminuição no número de vôos por profissional–, realizada no feriado prolongado de Finados. Desta vez, os atrasos teriam sido causados pela falta de controladores.EmergênciaNesta terça, o Comando da Aeronáutica voltou a convocar todos controladores de Brasília com o objetivo de normalizar as escalas de serviço.O plano é “um procedimento administrativo previsto na legislação e tem o objetivo de reunir, no menor tempo, todo o efetivo de uma unidade a fim de atender a possíveis situações especiais ou emergenciais”, segundo a Aeronáutica.Durante o período em que o esquema vigorar –ainda não confirmado-, os controladores do Cindacta 1 (Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo) deverão permanecer na organização, “de maneira a atender às necessidades operacionais de serviço”, diz a Aeronáutica em nota. O Comando afirma que serão cumpridos os horários de descanso e a jornada de trabalho.

Comentários