08/05/2013 16h24 – Atualizado em 08/05/2013 16h24

Deputado Akira Otsubo defende direito de produtores rurais em audiência pública sobre demarcação de aldeias indígenas

Da Redação

O deputado federal Akira Otsubo cobrou na manhã de hoje (08), em Brasília, na Câmara dos Deputados, agilidade do Governo federal em barrar os processos de demarcação de aldeias indígenas que prejudicam o setor agropecuário brasileiro. Em Mato Grosso do Sul, a Funai (Fundação Nacional do índio) quer demarcar como indígena uma área que abrange 22% do Estado, distribuída por 28 municípios do Conesul.

A possibilidade de impedir as demarcações surgiu por meio de análise da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) nos processos em andamento na Funai. Anteontem, com base nesta análise que diverge do estudo da Fundação, a ministra da Casa Civil da Presidência da República, Gleisi Hoffmann, determinou a suspensão do processo que envolve áreas no Estado do Paraná.

A decisão foi divulgada um dia antes da ministra participar de audiência pública realizada na Câmara dos Deputados, que reuniu parlamentares e milhares de produtores rurais em Brasília. De Mato Grosso do Sul participaram cerca de 500 agropecuaristas.

Foi por causa destas posições contraditórias, que Otsubo afirmou: “a situação precisa ser conduzida com responsabilidade e respeitando-se o direito de quem produz. Não da para aceitarmos o que está ocorrendo no campo e nem o que a Funai quer por em prática em Mato Grosso do Sul”. O parlamentar sul-mato-grossense conversou com a ministra sobre o assunto, durante a reunião.

A intenção da Fundação é demarcar como indígena uma área que corresponde a 22% do Estado, abrangendo 28 municípios do Conesul. Essa área responde por 25% do Produtor Interno Bruto (PIB) e 60% da produção de soja de Mato Grosso do Sul.

(*) Com informações de Assessoria de Comunicação

Comentários