Em alguns lugares formou até correnteza; Prefeitura disponibilizou um mapa com os pontos de alagamento e os equipamentos públicos para apoio e atendimento à população. Dois projetos de macrodrenagens devem resolver o problema de alagamento na cidade

Ela veio sem vento. Mansa, mas forte e intensa.

A chuva caiu sem dó durante todo o período da manhã desta quarta-feira, 11, em Três Lagoas. Segundo dados do INMET foram mais de 70mm em quatro horas. Como já é de costume, isso causou problemas para alguns bairros.alguns bairros sofreram mais com o aguaceiro.

Veja vídeos enviados por leitores ao longo desta reportagem.

Os relatos vêm da Vila Haro, Jardim Eldorado, Paranapungá, Parque São Carlos, Santa Luzia, Paineira, Alto da Boa Vista e diversos outros pontos da cidade. A Prefeitura criou um mapa no Google Maps mostrando os pontos de alagamento e os equipamentos públicos existentes nas proximidades para dar apoio à população.

Em áudio enviado a um grupo de colaboradores da Prefeitura e amigos, o Prefeito Ângelo Guerreiro pediu para que as pessoas avisassem caso vissem bocas de lobo entupidas e dificultando o escoamento de água (ouça abaixo).

Em alguns pontos da cidade ainda chove forte, como na região da Eldorado. A previsão é que a chuva se mantenha até a noite.

Segundo o Corpo de Bombeiros, como a chuva caiu “mansa”, sem ventos fortes, não houve ocorrências que necessitassem de resgate e intervenção da Corporação.

Áudio do prefeito Angelo Guerreiro

Projetos para conter os alagamentos

Jardim das Violetas também ficou alagado.

Dois financiamentos para obras de macrodrenagem estão em andamento para colocar fim aos problemas de alagamentos.

Um deles já foi aprovado. Será concedido pela Caixa Econômica, pelo projeto Avançar Cidades, do Governo Federal. A publicação da aprovação saiu no Diário Oficial em setembro.

Os R$ 43 milhões beneficiarão os seguintes bairros: Jardim Imperial, Jardim Eldorado, Violetas, Jardim Guaporé, Jardim Rodrigues, Jardim Capilé, Jardim Guaporé, Vila Haro, Vila Verde e Jardim Samambaia.

A região compreende a área próxima ao restaurante Lagoa da Prata e a parte de trás da Vila Haro, área crítica para alagamentos na cidade. Além destes bairros, denominados de bacia do córrego Japão, serão atendidos os bairros Itamaraty, São Carlos, Jamel Ville, Guanabara, São Carlos e São João, que são da bacia que segue para o Córrego do Onça.

Um segundo empréstimo, de US$ 50 milhões (mais de R$ 200 milhões pela conversão atual) através do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), ainda está em fase de análise. A aprovação deste empréstimo gerou discussão na Câmara Municipal.

Na Vila Haro, a correnteza chamou a atenção pela força

No final de outubro os técnicos do CAF estiveram em Três Lagoas. O objetivo da visita era fazer uma avaliação técnica do projeto, verificar a capacidade do município em cumprir com as propostas e preparar a assinatura do contrato entre a prefeitura de Três Lagoas e o Banco.

Caso não haja empecilhos, o contrato deve ser assinado no primeiro trimestre de 2020. As obras do programa contemplam ações para resolver os problemas de drenagem de Três Lagoas em vários bairros, além dos programas de mobilidade urbana e melhorias no trecho da linha férrea que corta a cidade.

Na BR-262 a água invadiu a pista
Comentários