18/11/2006 07h48 – Atualizado em 18/11/2006 07h48

Campo Grande News

A notoriedade conquistada pelo senador Ramez Tebet no cenário político foi destacada pelos deputados federais Waldemir Moka, presidente do PMDB, e Murilo Zauith, vice-governador eleito. Já o também senador Juvêncio César da Fonseca, colega de partido, comentou que a perda de uma liderança como Tebet influencia em questões nacionais. Para Moka, a perda maior é do amigo. Ele atribuiu uma série de qualidades ao senador, como “exemplo de cidadão, de homem público, de pai de família”. “Um homem de partido”, comentou. Ambos defendiam o PMDB na oposição. Tebet foi crítico ao governo petista em discursos contundentes no Congresso. Sua argumentação era elogiada. A postura foi considerada equilibrada por Moka, lembrando que o senador defendeu uma posição apenas institucional entre PMDB e governo, e não de adesão. “Nesse momento de crise de ética e moral, Mato Grosso do Sul e o País perdem um exemplo de dignidade”. Ele citou que Tebet ocupou os mais importantes cargos. Ele presidiu o Congresso até o começo de 2003. Coube a ele empossar Luiz Inácio Lula da Silva presidente. Ele ainda foi ministro da Integração Nacional no governo FHC. Para o peemedebista, o legado do senador tem como herdeira a filha dele, Simone, prefeita de Três Lagoas, cidade natal do pai e também administrada por ele. A família e os filhos do senador foram destacados por Zauith.

Comentários