10/06/2015 13h55 – Atualizado em 10/06/2015 13h55

Exames periódicos em água coletadas na lagoa prova que o local sofre com ação de despejos de esgotos, fossas sépticas, com coliformes fecais que são despejadas no manancial

Ricardo Ojeda e Patrícia Miranda

Fotos: Ricardo Ojeda e Patrícia Miranda

A água de um dos principais cartões postais de Três Lagoas, a Lagoa Maior está contaminada. A afirmação foi feita pelo técnico laboratorista da UFMS, Rony Carlos Barcelos Blini. Ele afirmou com exclusividade à reportagem do Perfil News no momento que fazia a coleta de água para análise. Na ocasião uma universitária do 4º ano de Biologia também ajudava na coleta do material.

De acordo com Blini, existem relatórios elaborados pela UFMS e supervisionado por um Bioquímico que está disponível para qualquer um que queira ver.

EXAMES PERIÓDICOS

O técnico disse ainda que mensalmente há dois anos é feita coleta da água da Lagoa Maior onde passa por análises microbiológicas. Ele acompanha os acadêmicos do curso de Biologia. Para fazer a coleta são utilizados materiais esterilizados e luvas. “É um procedimento padrão, onde apresentamos um projeto junto à prefeitura e fazemos uma leitura todo mês, já fazem dois anos, que realizamos os estudos.”

CONSTATAÇÃO

O laboratorista alertou que a água da Lagoa Maior está infectada com bactéria de coliformes fecais e de alguns protozoários. “São de animais de sangue quente que habitam no local, como as capivaras. Existem dejetos de fossas sépticas ligados na canalização envolta da lagoa. Segundo ele, é uma entrada clandestina, que caem na parte dos fundos da lagoa”. Com isso além da sujeira, outros organismos que estão na terra são conduzidos e alguns são protozoários.

PESCA PROIBIDA

Apesar das placas indicando a proibição da prática de pesca no local, as pessoas que se arriscam, devido os peixes que povoam a lagoa são impróprios para o consumo. Inclusive já foi registrada uma ocorrência de uma família, que ao visitar a cidade participaram de uma pescaria e fizeram uma peixada com o pescado. Todos passaram mal, acometidos de diarreia e alguns tiveram que buscar atendimento hospitalar.

ESGOTO

Rony manifestou ainda que é necessário verificar os esgotos clandestinos que pois caem na lagoa. O Perfil News entrou em contato com a Sanesul, empresa responsável pelo ramal de esgoto da cidade. O gestor técnico, José Carlos de Prado Rodrigues disse que algumas pessoas despejam clandestinamente na rede fluvial, e as águas das chuvas levam o esgoto até a lagoa. De acordo com o técnico da Sanesul, nos bairros Interlagos e Ipacarai esse procedimento é comum, principalmente em período chuvoso.

Esgoto de rede clandestino está sendo despejado na Lagoa Maior, poluindo às águas, causando impactos na fauna local (Foto: Sayuri Baez)

A água é coletada mensalmente para análise na UFMS (Foto: Ricardo Ojeda)

A olho nu é possível observar a sujeira depositada na água colhida do local (Foto: Ricardo Ojeda)

Mesmo com placa informando a proibição, pescadores urbanos burlam a pouca fiscalização do local (Foto: Patrícia Miranda)

Devido ao mal cheiro, é possível constatar a ocorrência de esgoto a céu aberto na Lagoa Maior, como mostra as imagens .(Fotos: Ricardo Ojeda)

Comentários