24/04/2019 15h17

“Se o Estado não se fizer presente, daqui a pouco terá gente cobrando para o morador poder ter luz, TV a cabo e gás”, disse o Delegado

Gisele Berto

Uma operação que reuniu um efetivo de mais de 90 policiais militares, civis e federais tomou as ruas e principais acessos dos residenciais Novo Oeste, na manhã de hoje, 24, em Três Lagoas.

A ação da polícia foi resultado de um trabalho de inteligência de pelo menos três meses, em que foram levantados nomes de pessoas que moravam no residencial e revendiam drogas, produtos roubados e armas.

Com 18 mandados de busca em mãos, os policiais prenderam em flagrante duas pessoas por tráfico e outras sete – cinco maiores de idade e dois menores – foram levadas para interrogatório.

O nome da operação – Respectum – refere-se aos moradores de bem dos residenciais, absoluta maioria.

AÇÃO DAS MILÍCIAS

O Delegado Regional dr. Rogério Fernando Makert Faria salienta que, especialmente no caso dos residenciais em que vivem muitas pessoas – como o Novo Oeste e o Orestinho – é necessário que o poder público atue para conter com rapidez a criação de grupos organizados.

“O Estado precisa se fazer presente nesses locais. Caso contrário, há o risco de formação de milícias. Quando nos dermos conta, terá gente cobrando para os moradores poderem ter gás, luz, TV a cabo”, disse.

Para o Delegado, além da repressão policial para evitar a formação de grupos criminosos, é necessária uma polícia social e educativa forte.

O MEDO DA DENÚNCIA

Dr. Rogério frisou, também, a importância da comunidade local para denunciar abusos e crimes nas redondezas. “Hoje mesmo, durante a operação, duas pessoas vieram me procurar para denunciar atos criminosos. As pessoas têm medo de denunciar, devido às ameaças que podem sofrer em suas casas. Mas nós garantimos o sigilo. Além disso, os moradores podem falar nas delegacias, no SIG, nos plantões do DEPAC, pelo 190, ou mesmo pela imprensa, que repassará para a gente. As pessoas precisam confiar na polícia”, concluiu.

Anote os números dos Disque-Denúncia. O anonimato é garantido:

Emergência 190

Polícia Militar: (67) 3919-9700 – também é whatsapp

SIG (Polícia Civil): (67) 3929-1173

Delegado Regional dr. Rogério Fernando Makert Faria. Foto: João Vitor/Perfil News

Comentários