11/09/2017 08h27

Família brasileira que estava em Saint Martin durante passagem furacão faz contato: ‘escapamos’

Familiares tentavam contato desde a quinta-feira com a família que estava na ilha durante a passagem do furacão Irma. Eles escaparam para a Martinica.

Da redação

A família da ginecologista Mariana Fischer, de 33 anos, informou no começo da madrugada desta segunda-feira (11), que conseguiu contato com a médica, grávida de quatro meses, que estava de férias na Ilha Saint Martin com a filha de 3 anos, Giovana, e o marido, Rafael Forno.

“Estamos na Martinica! Conseguimos sair […] estamos todos bem. Avisa todo mundo! Escapamos!!!”, essa foi a mensagem enviada pelo marido de Mariana aos familiares no Rio Grande do Sul que buscavam notícias desde a quinta-feira (7).

A médica que vive em Novo Hamburgo, na Região Metropolitana de Porto Alegre, estava na ilha de férias, quando o local foi atingido pelo furacão Irma. Ela chegou a fazer contato por meio do qual relatou as dificuldades e o cenário caótico que testemunhava na região, no entanto, até a mensagem desta segunda, a comunicação havia cessado.

A ilha foi atingida na quarta-feira (6) pelo furacão, que deixou boa parte da região destruída. Na noite deste domingo (10), o Ministério de Relações Exteriores informou que, com a melhora das condições do tempo, o governo brasileiro vai enviar um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para resgatar os brasileiros que se encontram na ilha de Saint Martin, e que isso deve ocorrer na próxima terça-feira (12).

De acordo com a nota, o governo brasileiro fez contato com o governo do Reino Unido para poder utilizar o aeroporto do lado britânico da ilha, onde as condições climáticas estão mais favoráveis.
No início da manhã, o Itamaraty ainda não confirmava a retirada dos brasileiros das ilhas do caribe.

Mariana estava entre os 35 brasileiros que estavam na ilha franco-holandesa de Saint Martin, segundo o Ministério de Relações Exteriores. Ainda há 20 nas ilhas de Turks e Caicos, e dois em Tortola, ambas de colonização britânica, todas na região do Caribe.

Na manhã de domingo o Itamaraty confirmou que trabalhava em regime de plantão, “juntamente com o Núcleo de Assistência a Brasileiros do Ministério, em Brasília”. Durante o dia foi montado um núcleo de atendimento emergencial na área consular do Itamaraty em Brasília, que vem operando presencialmente desde a eclosão da crise.

Ainda de acordo com a pasta, o núcleo de atendimento e os postos no exterior haviam recebido centenas de ligações e mensagens de brasileiros que se encontravam nas regiões afetadas e de seus familiares e amigos.

Até o contato desta segunda, a família estava apreensiva com a situação, conforme relatava a prima da médica Fernanda Fischer.

“Ela mandou mensagem de áudio chorando, dizendo que foi horrível e que eles estavam em uma situação crítica, assustadora. Comendo biscoito e tomando água enquanto houvesse estoque”, contou Fernanda.

(*) Informações com o G1.

Mariana, que está grávida, Giovana e Rafael em St Martin antes da passagem do furacão Irma, na última quarta-feira (6) (Foto: Arquivo Pessoal )

Águas avançam sobre as casas na Ilha de Saint Martin, no Caribe, após passagem do furacão Irma (Foto: Netherlands Ministry of Defence/Handout via REUTERS)

Comentários