27/01/2012 09h39 – Atualizado em 27/01/2012 09h39

A primeira paralisação de 2012 no canteiro de obras da Eldorado Brasil movimentou cerca de 7 mil trabalhadores

Ficou acertado que uma reunião entre trabalhadores e empregadores será realizada hoje (27) com objetivo de chegar a um acordo

Elisângela Ramos

A primeira paralisação em 2012 no canteiro de obras da Eldorado Brasil, um dos grandes complexos industriais que está sendo construído em Três Lagoas, teve ontem (26) no período da manhã, cerca de sete mil funcionários terceirizados estão sem trabalhar.

PARALISAÇÃO

A movimentação dos trabalhadores na BR-158 nas proximidades da indústria foi grande, os operários que deram início a paralisação são da empresa Paranasa e Serpal, que prestam serviço na Eldorado Brasil. Os operários bloquearam a entrada do canteiro de obras e não permitiram a entrada de funcionários de outras empresas como a Montcalm.Assista o vídeo

REIVINDICAÇÕES

Os trabalhadores estão reivindicando mais qualidade para trabalhar, como um plano de saúde melhor; receber corretamente a ajuda de custo para viagem; liberação dos trabalhadores no dia do pagamento para realizar serviços de banco; espelho de horas extras para conferência antes de serem pagos; a regularização de pagamentos de horas extras; aumento no vale alimentação; a volta do pagamento da horas in itinere, entre outros pedidos.

EMPRESA PARANASA

O gerente da empresa Paranasa, Pedro Cardoso, admitiu que houveram erros administrativos. “Estamos punindo os responsáveis pelos erros, novos funcionários serão contratados com objetivo de melhorar a qualidade de trabalho dos operários”.

ELDORADO BRASIL

O gerente administrativo da Eldorado Brasil, Sales Bueno, esteve no local da paralisação e explicou aos trabalhadores sobre a contratação das empresas terceirizadas. “A Eldorado Brasil se sensibiliza com a situação de vocês e vamos sim acompanhar as negociações”’. Mas o gerente enfatizou que a Eldorado contratou o serviço das empresas terceirizadas, portanto, a responsabilidade com os trabalhadores é de cada uma dessas prestadoras de serviços.
O gerente da Eldorado também alertou os trabalhadores que eles estão no seu direito de reivindicar, mas que nenhum edital de greve foi baixado por tanto essa paralisação é ilegal.

TRABALHADORES

De acordo com os trabalhadores, que não quiseram se identificar, a paralisação é pacifica, “estamos pedindo melhores condições para trabalhar, viajamos cerca de 4 mil quilômetros para trabalhar não temos sábado, domingo e nem feriado, pois fazemos horas extras para receber um salário maior no final do mês, com o objetivo de mandar o sustento de nossas famílias e as horas extras não são pagas corretamente, somos trabalhadores não queremos briga, só queremos o que é nosso por direito, trabalhamos e queremos receber”, destaca um dos operários.
Os trabalhadores não querem a participação do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção, Mobiliário e Manutenção Industrial de Mato Grosso do Sul (Sintricom) mediando as negociações. Segundo eles, o Sintricon não ajuda a resolver a situação. Essa é a quarta paralisação feita pelos trabalhadores de prestadoras de serviços da Eldorado Brasil.

Mesmo a paralisação sendo pacífica, a Polícia Militar, Rotai e Polícia Rodoviária Federal estavam fazendo a segurança de todos no local, para evitar problemas.
Ficou acertado, para hoje (27), uma reunião entre trabalhadores e empregadores com objetivo de chegar a um acordo que beneficie a todos. Segundo o gerente administrativo da Eldorado Brasil ainda é cedo para falar em atraso no cronograma de entrega da obra.

De acordo com os funcionários eles só voltam a trabalhar quando todas as reivindicações forem atendidas
Foto: Cristiane Vieira

Pedro Cardoso durante conversa com os operários da Paranasa
Foto: Cristiane Vieira

Os trabalhadores bloquearam a entrada da obra
Foto: Cristiane Vieira

Comentários