29/04/2016 15h21 – Atualizado em 29/04/2016 15h21

O deputado é cotado para ser ministro no governo de Michel Temer

Assessoria

A atuação firme do deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS), desde o início um dos mais ferrenhos defensores do impeachment da presidente Dilma, colou o parlamentar sul-mato-grossense em evidência no Congresso Nacional e na mídia nacional, ocupando em pouco mais de um ano de mandato, espaços que outros parlamentares não conseguiram em décadas. Por isso, seu nome aparece dentro os cotados para integrar o ministério no governo Michel Temer.

Assíduo frequentador das páginas da imprensa nacional e dos maiores telejornais do país, Marun foi escalado pelo vice-presidente Michel Temer para explicar a embaixadores árabes que o impeachment em andamento não é golpe, mas tem base constitucional e segue rito aprovado pelo Supremo Tribunal Federal.

Marun já esteve nos Estados Unidos em viagem oficial como membro da CPI da Petrobras e tem forte atuação no Conselho de Ética da Câmara Federal. Com formação em Engenharia Civil e Direito, o deputado tem argumentos sólidos para debater o desenvolvimento do país, sobretudo na área de habitação, e as questões legais relacionadas aos escândalos do Petrolão, por exemplo.

Marun foi um dos primeiros a defender o rompimento do PMDB com o Governo Dilma, criticou o excesso de ministérios e disse que metade seria suficiente para “mostrar ao país que este é um governo que corta a sua própria carne em benefício do país”.

Agora, no impeachment sua atuação tem crescido nos debates, na convenção nacional do PMDB onde defendeu o rompimento com o governo federal. Para o deputado, a presidente Dilma deveria renunciar facilitando a criação de uma gestão de salvação nacional para o Brasil.

Por todo esse histórico, Marun é, hoje, o parlamentar sul-mato-grossense mais falado e ouvido no Congresso Nacional.

(*) Assessoria de Comunicação do deputado federal Carlos Marun

O deputado federal Carlos Marun tem seu nome dentro os cotados para integrar o ministério no governo Michel Temer (Foto: Assessoria)

Comentários