22/04/2015 18h08 – Atualizado em 22/04/2015 18h08

A comissão apura suposto desvio de R$ 700 milhões da Enersul apontado pela auditoria da PWC em um período de dez anos (2002 – 2012)

Redação

Os membros da Comissão Parlamentar de Inquérito da Assembleia Legislativa que investiga supostos desvios ocorridos na Enersul foram nesta quarta-feira, 22 de abril, a Brasília, pedir a intervenção da bancada federal junto a Agência Nacional de Energia Elétrica, para que a ANEEL entregue a CPI cópia da auditoria feita pela Price Whaterhouse Coopers na empresa, além do relatório do interventor da Aneel que esteve em Mato Grosso do Sul e a cópia do contrato de compra e venda da Enersul para a Energisa.

O presidente da CPI, Paulo Correa(PR) e os deputados Onevan de Matos(PSDB), Beto Pereira(PDT), Marquinhos Trad(PMDB) e Renato Câmara(PMDB) foram recebidos pelo senador Delcídio do Amaral (PT/MS), em audiência da qual participaram também o coordenador da bancada, deputado federal Vander Loubet(PT) e os deputados federais Luís Henrique Mandetta (DEM), Dagoberto Nogueira (PDT), Tereza Cristina (PSB) e Carlos Marum (PMDB).

A comissão apura suposto desvio de R$ 700 milhões da Enersul apontado pela auditoria da PWC em um período de dez anos (2002 – 2012), além da concessão de gratificações de até R$ 2,5 milhões a funcionários sem qualquer justificativa, a falta de registros contábeis no valor de R$ 200 milhões em relação ao Programa de Universalização da Energia Elétrica e a liberação indevida de dividendos e juros sobre o capital da empresa.

Paulo Correa defende que , se o desvio impactou nos reajustes da tarifa em Mato Grosso do Sul, os valores terão que ser devolvidos aos consumidores, como aconteceu no fim da primeira CPI da Enersul, em 2007.

“O senador Delcídio é um homem da área de energia e tem bom trânsito junto a ANEEL . Por isso o apoio dele é fundamental para que possamos ter acesso a esses documentos. Ele nos ajudou muito em 2007, na primeira CPI da Enersul , quando todos os consumidores dos municípios atendidos pela empresa foram reembolsados em R$ 191 milhões cobrados a mais desde 2003. E eu não tenho dúvida de que ele vai fazer gestões junto à agência para que o nosso pedido de documentos seja atendido”, afirmou o presidente da CPI.

Após a audiência, Delcídio telefonou para o presidente da ANEEL, Romeu Rufino, com quem os membros da CPI agendaram reunião para o final do tarde, e reforçou o pedido dos parlamentares estaduais.

“Estamos juntos nessa empreitada”, garantiu Delcídio. “Faremos tudo o que for possível para esclarecer definitivamente essa questão. Se forem comprovados os desvios e se eles impactaram na tarifa nada mais justo do que pedir a ANEEL a devolução dos valores pagos a mais pelos consumidores do nosso estado”, ponderou o senador.

O presidente da CPI da Enersul saiu otimista da audiência com Delcídio.

“Hoje, fizemos o primeiro contato com a bancada federal. Se a gente puder levar isso pro Mato Grosso do Sul, estaremos marcando um gol. Com o senador Delcídio, que é um homem preparado e tem conhecimento técnico do assunto nos ajudando, com certeza teremos sucesso”, avalia Paulo Correa.

(*) Assessoria de Imprensa

Após a audiência, Delcídio telefonou para o presidente da ANEEL, Romeu Rufino, com quem os membros da CPI agendaram reunião para o final do tarde, e reforçou o pedido dos parlamentares estaduais. (Foto: Assessoria de Imprensa)

Comentários