11/07/2019 16h10

A Defesa Civil emitiu alerta para que a prefeitura retire as famílias de áreas de riscos e pediu medidas judiciais para obrigar quem tiver resistência a sair dos imóveis

UOL

A barragem de Quati, no município de Pedro Alexandre (BA), a 435 km de Salvador, transbordou por volta das 11h de hoje e deixou um povoado na zona rural ilhado. Segundo a Superintendência de Defesa Civil do Estado da Bahia (Sudec), moradores da parte baixa do município de Coronel João de Sá, a 40 quilômetros da barragem, foram retirados com urgência.

As autoridades se contradizem quanto ao estado da barragem, construída em 1998 para armazenar água: a Agência Nacional de Águas (ANA) e a prefeitura de Coronel João Sá afirmam que ela estourou, e a Sudec diz que houve transbordamento, mas não rompimento. Segundo a Defesa Civil, não há registro de mortes.

“Houve rachaduras nas ombreiras da barragem, que são as laterais. Essas rachaduras estão levando ao vazamento de água”, afirmou Vitor Gantois, o superintendente adjunto da Sudec.

A Defesa Civil também emitiu alerta para que a prefeitura retire as famílias de áreas de riscos e pediu medidas judiciais para obrigar quem tiver resistência a sair dos imóveis. “A gente não consegue dimensionar o que pode ocorrer devido ao volume de água. Houve uma chuva de grande densidade, e o nível do rio subiu rapidamente.

Quando as pessoas observaram, o rio já estava no nível altíssimo”, disse Gantois. Segundo relatório da ANA, a barragem de Quati se chama Riacho Lagoa Grande, tem paredes de terra e sete metros de altura.

A capacidade não foi informada. A barragem pertence à Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR) e sua fiscalização cabe ao Inema-BA (Instituto Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos). No relatório de 2016, a barragem estava classificada como “categoria de risco alto”. Pedro Alexandre e Coronel João Sá estão na região nordeste da Bahia. De acordo com o senso do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), cada cidade tem cerca de 17 mil habitantes.

Caminho da água

A primeira localidade a ser atingida pelo grande volume de água da barragem foi o povoado de Quati, em Pedro Alexandre. Segundo a Defesa Civil, a localidade está ilhada, mas houve apenas prejuízos materiais. “A água atingiu os imóveis e ficou na altura da canela”, disse Ganbois. Em post publicado em seu Instagram, o prefeito de Coronel João Sá, Carlinhos Sobral (MDB), pediu que a população que mora em áreas de risco deixasse suas casas.

No início da tarde, a prefeitura divulgou imagens aéreas mostrando parte do município já sob alagamento. “É uma situação atípica, nunca aconteceu isso e nós não sabemos as consequências. Peço encarecidamente que as pessoas que moram em situação de risco saiam de suas casas. É melhor prevenir”, informou Sobral. Ele disse também que as escolas estão liberadas para receber as famílias. “Todas as escolas estão disponíveis para poder receber as pessoas”, disse.

A ANA diz que monitora o caso, mas diz que a responsabilidade é do governo da Bahia, já que a barragem está no rio do Peixe – que é estadual. Ainda não se sabe se a barragem é pública ou particular. Equipes da Sudec estão a caminho dos dois municípios para auxiliar no resgate e ajuda aos atingidos.

Trecho de rodovia que interliga estados está interditado

A PRF (Polícia Rodoviária Federal) na Bahia informou que o trecho do quilômetro 25, da BR-235, está totalmente interditado devido ao transbordo do rio do Peixe. Equipes da PRF estão indo ao local para avaliar a situação da estrada. A BR-235 é responsável por interligar os estados da Bahia e Sergipe.

11.jun.2017 - O município de Coronel João Sá foi atingido pela água que transbordou da barragem (Imagem: Município de Coronel João Sá / Reprodução)

Comentários