Setor de árvores cultivadas encerra 2020 com crescimento de fabricação e matérias-primas para itens essenciais; dados constam do Boletim Cenários Ibá, divulgado hoje

O Boletim Cenários Ibá, produzido pela Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), demonstra que o setor de árvores cultivadas aumentou seu ritmo de produção no ano de 2020, em relação a 2019, para manter todos os brasileiros abastecidos de itens essenciais, como lenços e papel higiênicos, embalagens de papel e EPIs de saúde como máscaras, aventais hospitalares e toucas.

A celulose atingiu 21,0 milhões de toneladas produzidas, o segundo maior volume anual da história da indústria, com avanço de 6,4%.

Já o papelcartão, comumente utilizado para embalagens de delivery, cresceu 4,9%. Para efeito de comparação, em 2019, o mesmo produto registrou crescimento produtivo de 2,8%. No ano de 2020, 73% das 798 mil toneladas produzidas, foram destinadas para o mercado doméstico.

Por fim, vale menção para papéis para fins sanitários, que avançaram 1,4%, e painéis de madeira, que demonstraram crescimento de vendas internas de 6,6%.

“O setor de árvores cultivadas demonstrou seu compromisso com a sociedade e, investindo no cuidado com seus colaboradores, continuou operando para fornecer matérias-primas e produtos essenciais para o dia a dia, especialmente em um período de pandemia. A celulose, insumo para produção até mesmo de EPIs de saúde, como máscaras cirúrgicas, aventais e toucas hospitalares, atingiu seu segundo maior volume de produção na história desta agroindústria no Brasil. É um resultado muito expressivo e que revela que houve uma organização rápida e adequada por parte do setor. Papéis para higiene e papelcartão para embalagens, fundamentais para todos neste momento, também cresceram. O mesmo movimento se deu em painéis de madeira, que, com o aumento de adesão do modelo home office, passou a ser item desejado para um espaço confortável e adequado para o trabalho remoto. Esta agroindústria, que está dentro da casa de todos, possui uma cadeia que tem sua origem renovável, remove e estoca carbono e fabrica itens recicláveis e biodegradáveis”, afirmou Paulo Hartung, presidente da Ibá.

No ano de 2020, os produtos da indústria de base florestal chegaram a US$ 8,0 bilhões em comercializações com outros países. As vendas para o mercado externo de celulose totalizaram US$ 6,0 bilhões, enquanto de papel somou US$ 1,7 bilhão e painéis de madeira, US$ 276 milhões.

No ano passado, a China seguiu como principal mercado da celulose nacional, adquirindo US$ 2,9 bilhões do produto. A América Latina, por sua vez, é o destino com maior negociação para painéis de madeira (US$ 142 milhões) e papel (US$ 976 milhões).

Confira a seguir os indicadores de desempenho do setor de árvores plantadas durante o ano de 2020, na 64ª edição do Cenários Ibá, boletim Indústria Brasileira de Árvores.

Produção

A produção de celulose chegou a 21,0 milhões de toneladas, avanço de 6,4% e segundo maior volume histórico de produção dentro de um ano. No segmento de papel, destaca-se o papelcartão (+4,9%), comumente utilizado em embalagens para entrega via delivery ou embalagens de papel para alimentos e de remédios. 

Vendas domésticas

As vendas de painéis de madeira no Brasil, em 2020, somaram 7,1 milhões de m3, aumento expressivo de 6,6%. Já o volume de vendas domésticas de papel foi de 5,2 milhões de toneladas.

Exportações em volume

As exportações de celulose demonstraram avanço de 6,1% no ano, somando 15,6 milhões de toneladas vendidas. O papel totalizou 2,1 milhões de toneladas comercializadas com outros países.

Comentários