03/04/2019 14h34

De acordo com os dados da Carta de Conjuntura, o crescimento do saldo positivo da balança comercial em grande parte foi impulsionado pela expansão da celulose

Redação

Mato Grosso do Sul fechou o primeiro trimestre de 2019 com um saldo na balança comercial acumulado em US$ 537 milhões. É o que revela a Carta de Conjuntura do Setor Externo do mês de abril divulgada hoje pela Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar). O documento é elaborado com dados da Secex (Secretaria de Comércio Exterior), do Ministério da Economia. Clique aqui para fazer o download.

“Nós tivemos uma desvalorização gradual do dólar ao longo de 2019. Por isso, os resultados no comércio exterior apresentaram uma queda em relação ao mesmo período em 2018. De janeiro a março deste ano Mato Grosso do Sul teve um leve aumento nas importações (5,26%) e queda nas exportações de 1,58%. Mesmo com essa leve queda, o superávit acumulado no primeiro trimestre de 2019 já chega a 537 milhões de dólares”, comenta o secretário da Semagro, Jaime Verruck.

De acordo com os dados da Carta de Conjuntura, o crescimento do saldo positivo da balança comercial em grande parte foi impulsionado pela expansão da celulose (38,58%) representando cerca de 47% das exportações de Mato Grosso do Sul. A soja, embora seja o segundo produto com 18,75% apresenta queda em relação ao mesmo período do ano passado de 27,74%.

Em termos de destino, há uma concentração nas exportações para a China. As vendas externas para o país asiático, de janeiro a março de 2019 representaram cerca de 40,9% do valor total das exportações sul-mato-grossenses. Os países com maior aumento na participação foram: Estados Unidos (196,35%) e Emirados Árabes Unidos (84,1%). A maior queda foi registrada para Hong Kong, com baixa de 30,14% nas exportações em relação ao primeiro trimestre de 2018.

O principal município exportador foi Três Lagoas, com cerca de 56,11% dos valores exportados de janeiro a março de 2019, com composição baseada sobretudo nas exportações na indústria de Papel e Celulose.

Marcelo Armôa – Assessoria de Comunicação da Semagro.

Comentários