A direção do Porto de Santos trabalha para implantar no litoral paulista o maior corredor de movimentação de celulose em todo o mundo. A afirmação foi feita pelo presidente Casemiro Tércio Carvalho durante manifestação no primeiro dia do Congresso de Regulação Portuária, organizado ontem, 21, pela OAB Santos.

Ocupando o principal cargo do porto santista, ele disse aos presentes ser possível viabilizar uma estrutura que movimente 12 milhões de toneladas da carga por ano.

Carvalho, no cargo desde fevereiro, deixou claro que o objetivo é ampliar as operações de celulose e citou o interesse declarado da Eldorado Brasil em transferir operações para o litoral paulista. Também falou sobre a inclusão da celulose no rol de cargas a serem atendidas pela área provisoriamente concedida à Santos Brasil no Saboó e o projeto da gigante DP World para receber as cargas dos grandes produtores nacionais.

Casemiro Tércio afirmou que índice de empregabilidade nas operações de celulose é cerca de 20% maior do que na movimentação de contêineres. Ele ainda reforçou que, há muitos anos, aponta a tendência de que terminais portuários serão administrados por donos de navios ou da carga. “No mundo inteiro os armadores estão comprando os terminais”, argumentou, citando a Copersucar operando estrutura em Santos e tradings à frente de terminais graneleiros. Parte dos embarques envolvendo celulose atraídas para Santos está sendo disputada junto ao comercial do Porto de Paranaguá, no litoral paranaense.

As informações são do site Porto Gente.

Comentários