27/02/2019 09h46

Segundo o Secretário de Desenvolvimento de Três Lagoas instalação do empreendimento não está ameaçada e aguarda apenas trâmites legais

Gisele Berto

Ao contrário do que se divulgou pelas mídias sociais do município na última semana, a instalação da cervejaria Cidade Imperial em Três Lagoas não está ameaçada. Pelo menos é o que garantiu o Secretário de Desenvolvimento da cidade, José Aparecido de Moraes.

De acordo com Moraes, o prefeito Ângelo Guerreiro esteve em Campo Grande na semana passada e conversou com o Secretário de Fazenda do Estado, Felipe Mattos, para entender qual era a situação em relação à liberação da documentação da empresa.

Mattos informou que a Cervejaria havia solicitado um novo incentivo fiscal, desta vez do Governo do Estado. O empresário teria visto uma outra empresa, do mesmo ramo, que tinha um incentivo comercial e pediu para que a Secretaria avaliasse a possibilidade de conceder o mesmo benefício à Império.

Dessa forma, a empresa segurou o pedido de licenciamento ao Imasul, enquanto aguarda a decisão do governo do estado.

“Não há, nunca houve, em nenhum momento, um recuo por parte do empresário na instalação da empresa aqui. Eles só estão passando pelos trâmites burocráticos e aguardando definições que não dependem de nós, nem deles. O prefeito pediu prioridade desse assunto à Secretaria de Fazenda”, afirmou Moraes.

PRAZOS

Em relação à notícia de que, caso as obras não se iniciassem em março, o processo de doação do terreno à cervejaria teria que começar do zero, Moraes afirmou que tratou-se de uma interpretação errada da lei.

“A lei menciona o início da obra, mas diz que a empresa tem 36 meses para entregar a fábrica pronta e produzindo. Há uma interpretação aí, porque eles podem simplesmente colocar uma placa e um poste de luz lá e dizer que as obras começaram. Não é isso que nos interessa. O que vale, mesmo, é o prazo final, de 36 meses a partir de março”, disse o Secretário.

Além disso, segundo Moraes, não há necessidade de enviar o projeto de volta à Câmara para aprovar nova doação do terreno. “Isso não existe, o terreno já está doado. O empresário vai justificar o atraso para a gente, falando que aguarda os trâmites burocráticos, e a Câmara vai levar isso em consideração”.

E SE TUDO DER ERRADO?

Questionado pela reportagem do Perfil News se há a chance de recuo por parte da empresa, no caso da solicitação do novo incentivo ser negada, o Secretário de Desenvolvimento de Três Lagoas afirmou que isso é uma decisão do empresário e da sua equipe.

“Eles nunca falam em desistir do projeto em Três Lagoas, mesmo porque aqui é um ponto estratégico. Quando uma empresa escolhe um lugar para fazer um investimento desse porte, ele avalia várias situações. A posição estratégica do lugar é uma das principais. Por isso não acredito que, ainda que o incentivo seja negado, a empresa recue quanto à instalação da fábrica na cidade”, afirmou.

Área do antigo alojamento da Fibria, onde será instalada a Cervejaria Cidade Imperial. Foto: Ricardo Ojeda

Comentários