09/03/2016 16h55 – Atualizado em 09/03/2016 16h55

Cesp rebate acusação de funcionário e diz que direitos trabalhistas serão preservados

Por e-mail, funcionário da Cesp denuncia estatal energética paulista de demitir 50% do quadro funcional, além de transferir a carga do FGTS para a chinesa CTG

Patrícia Miranda e Ricardo Ojeda

De acordo com o denunciante (que preferiu não se identificar) a Cesp estaria desrespeitando os direitos trabalhistas (FGTS) de funcionários que venham pedir demissão para trabalhar na Empresa CTG (China Três Gargantas), que venceu o leilão e operará a usina por 30 anos. Conforme a denúncia, a Cesp não estaria debitando os valores dos trabalhadores.

A DENÚNCIA

A CESP (Companhia Energética de São Paulo), anunciou demissão de 50% do seu quadro de funcionários ano passado, em função de ter vencido as concessões das usinas Ilha Solteira e Jupiá alegando perda de receita. De acordo com o texto enviado pelo internauta, o leilão foi vencido pela Empresa CTG (China Três Gargantas).

A Cesp irá operar essas usinas pelo edital até Junho de 2016. Hoje a CTG tem interesse de absorver os funcionários da Cesp que opera e dá manutenção nessas usinas, porém para evitar despesas a empresa mudou o comportamento e hoje quer que seus funcionários venham pedir demissão para entrar na CTG. Esse procedimento é um desrespeito com os colaboradores que contribuíram com essa empresa por 10, 20 e 30 anos, diz o denunciante. Àqueles que têm interesse de passar para os quadros da CTG, a Cesp quer que os mesmos peçam demissão. Esse procedimento deixa os colaboradores sem o direito ao FTGS, diz a denúncia.

O Presidente da Cesp Mauro Arce, quer transferir a responsabilidade da empresa para a CTG querendo impor uma sucessão automática, alegando ser bom para os funcionários, mas na verdade é bom para a Cesp que não tem que arcar com despesas na demissão. A CTG já se pronunciou que não aceita sucessão automática e está tramitando na justiça, informa a denúncia enviada à redação do Perfil News.

O Presidente da Cesp Mauro Arce, quer transferir a responsabilidade da empresa para a CTG querendo impor uma sucessão automática, alegando ser bom para os funcionários, mas na verdade é bom para a Cesp que não tem que arcar com despesas na demissão. A CTG já se pronunciou que não aceita sucessão automática e está tramitando na justiça, informa a denúncia enviada à redação do Perfil News.

Nesse procedimento, como quer a Cesp, quem vai perder com a obrigação de pedir demissão são os funcionários de carreira. São esses que por anos conseguiram alavancar a empresa, trabalhando dia e noite para manter a continuidade da energia elétrica para os consumidores.

“O que nós queremos é que seja sensibilizado o presidente da Cesp, o senhor governador do Estado para que colabore com os funcionários facilitando a passagem da Cesp para a CTG”.

RESPOSTA DA CESP

A redação do Perfil News entrou em contato com a assessoria de imprensa da Cesp, solicitando um posicionamento da empresa, que enviou à reportagem em duas os seguintes dizeres “A CESP esclarece que não existe nenhuma intenção em prejudicar seus empregados e que todos os direitos trabalhistas serão preservados”, afirmou em texto.

A hidrelétrica de Jupiá (Foto) a partir de julho deste ano passará para o comando da Empresa CTG (China Três Gargantas), que venceu o leilão e operará a usina por 30 anos. (Foto: Marcelo Rodrigues)

Comentários