Empresários decidiram usar o tempo de paralisação em razão da pandemia para renovar o restaurante, um dos mais tradicionais da cidade; com energia solar, local economizará energia elétrica e promete queda nos preços

Para quem estava com saudades de um dos restaurantes mais tradicionais de Três Lagoas, uma boa notícia: o Yaki Niku reabre as portas na próxima quarta-feira, 10, a partir das 17h30.

O local, que estava fechado desde o dia 23 de março em razão do decreto municipal de combate à pandemia, voltará cheio de novidades para os fregueses que, nesse tempo, lotaram as redes sociais do restaurante falando que estavam com saudades: “Volta logo!”

O mesmo carinho em casa nova

Ao invés de chorar pelo prejuízo de ver as portas fechadas com o decreto municipal que impedia os restaurantes de funcionar, o decano proprietário Paulo Ishibashi enxergou uma oportunidade. “Eu já estava precisando fechar para poder reformar tudo. Então decidimos dar férias aos funcionários e transformar o local em uma nova casa”.

Ele, os três filhos e a nora toparam a empreitada. Os trinta colaboradores ficaram em férias coletivas por 90 dias. Nesse tempo, Paulo e a família mudaram muita coisa no restaurante. A principal alteração vai trazer muita economia – tanto para os empresários quanto para os clientes.

Sustentável

O Yaki Niku, agora, terá energia solar. Mas o processo para transformar o restaurante em sustentável não foi tão simples: para fornecer energia elétrica ao prédio foram necessários 325 módulos (placas). Ao final do mês, elas devem gerar 16 KW/h. O que não for usado para abastecer o restaurante será entregue ao “linhão” da Elektro.

No entanto, o peso do sistema demandou outra reforma: as placas adicionaram um peso extra de oito toneladas à estrutura, instalada sobre o telhado. Por isso, foi necessária a instalação de sapatas.

A MRC Solar, de Araçatuba, levou nove dias para instalar todo o sistema. Agora, com energia solar, não é só o empresário que ganhará com a economia.

Preço para baixo para todos

A energia elétrica é sempre um dos custos mais altos de qualquer negócio. Com a economia gerada pelas placas solares, sr. Paulo já afirmou que vai baixar os preços dos produtos. “Vamos pagar o financiamento das placas e ainda vai dar para repassar a economia aos clientes”, disse.

Segundo o empresário, os clientes vão sentir a redução de preço logo de cara: os preços do Yaki Niku devem ficar 30% mais baratos.

Um novo Yaki Niku, a mesma essência

Apesar das mudanças no prédio, sr. Paulo garante que a qualidade da comida e bebida continua a mesma. O restaurante terá três cozinhas separadas – uma para frituras, outra para grelhados e outra, ainda, para as especialidades frias orientais.

Vinte dos 30 colaboradores do restaurante trabalham na cozinha, para garantir a agilidade na entrega dos pedidos.

A reabertura em um novo normal

Quem está acostumado ao “antigo” Yaki Niku notará algumas mudanças. O restaurante voltará obedecendo todas as regras sanitárias. Por isso, o serviço de self-service passará por alterações: os clientes não poderão mais se servir. Terá uma pessoa, sempre, pronta para entregar o que o cliente quer, na quantidade que ele quiser.

Além disso, as mesas terão espaçamento maior entre elas, como determina o decreto. “Queremos ter o nosso cliente de volta, e queremos que todos fiquem bem”, disse sr. Paulo Ishibashi.

Comentários