07/10/2013 15h06 – Atualizado em 07/10/2013 15h06

As chuvas e a geada no final do mês de julho foram as principais causas na queda da produtividade

Da Redação

Quatro milhões de toneladas. Essa é a quantidade, segundo informações da Biosul (Associação de Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul), que o estado deve deixar de colher nesta safra de cana.

As chuvas e a geada no final do mês de julho foram as principais causas na queda da produtividade.

Mais de 100 mil hectares de canaviais foram afetados. A maior parte fica na região sul do estado, responsável por 84% da produção. Segundo a Biosul, o reflexo para o plantio da próxima safra será inevitável. Deve haver atraso de pelo menos um mês.

“É o tempo em que nós vamos ter que recompor o canavial, na safra que vem não vamos poder fazer isso porque tivemos problemas com mudas, a oferta de mudas para expansão e renovação é diminuída”, diz Roberto Holanda, presidente da Biosul.

Não é só a produtividade que preocupa. A qualidade industrial da cana também caiu,. O total de sacarose deve baixar de 136 para 127 quilos por tonelada de cana, diferença de 7%. Estimativa é de que as geadas tenham provocado prejuízo de R$ 660 milhões ao setor sucroenergético. Segundo a Biosul, serão necessárias pelo menos duas safras para superar as perdas.

(*) Com informações de Assomasul

Comentários