08/04/2016 12h02 – Atualizado em 08/04/2016 12h02

Os custodiados ameaçaram queimar colchões e roupas, caso o Ministério Público não interviesse na transferência dos internos

Patrícia Miranda com informações

À tarde de quinta-feira (07) em Água Clara, cidade distante 211 km de Três Lagoas foi marcada por uma rebelião de presos na delegacia do município.

Conforme informações do site Jornal Correio MS, 24 custodiados reivindicavam a transferência de alguns internos por superlotação no local. Em duas celas, a capacidade seria para abrigar oito pessoas, ou seja, o valor real de ocupantes era três vezes, que em sua maioria com crimes de tráfico de drogas.

Os detentos durante a ação batiam em grades e tentavam quebrar as paredes da delegacia, além de xingamentos aos policiais que estavam em serviço e um possível incêndio em colchões e roupas, caso o Ministério Público não interviesse. O site trouxe ainda, que um sindicalista informou que no momento havia um investigador e um delegado, e em dado momento foi necessário a presença de mais policiais civis que estavam de folga.

Após a presença de um representante do Ministério Público, os internos acalmaram-se após a afirmativa de transferência de cincos presos para a Penitenciária de Três Lagoas.

O Sinpol-MS (Sindicato dos Policiais Civis de Mato Grosso do Sul), já havia feito denúncias à respeito da superlotação em celas da Polícia Civil pelo Estado. “Historicamente, as medidas são adotadas para sanar o problema no momento, mas não há um planejamento, nem investimentos nos lugares certos. A rebelião demonstrou que o problema existe e que, até mesmo os presos, estão cansados desta situação”, informou o presidente do Sinpol-MS, Giancarlo Miranda.

Neste momento há 19 presos custodiados na delegacia de Água Clara, sendo um adolescente em cela separada, no entanto deve ser liberado ainda hoje, pois não conseguiram vaga na UNEI (Unidade Educacional Internação).

SOLUÇÃO DE SUPERLOTAÇÃO

As autoridades que compõem a Segurança Pública de MS se comprometeram a buscar uma solução para o fim da custódia de presos nas delegacias. Em 11 de abril, a Agepen deve apresentar um estudo sobre o planejamento da absorção gradual dos detentos a ser executado por completo até o final de 2018.

(*) Jornal Correio MS

Mesmo após a transferência, o número é acima da capacidade do local. (Foto: Ilustração)

Comentários