07/01/2019 07h40

Com concessões, aeroportos de MS podem receber investimentos

Terminais aéreos de três cidades do Estado, além de ferrovia, estão na mira do governo

Redação

A divulgação feita pelo presidente Jair Bolsonaro de que o governo federal vai atrair R$ 7 bilhões em investimentos com concessões abre as portas para que os aeroportos de Campo Grande, de Corumbá e de Ponta Porã, bem como a recuperação da linha férrea Malha Oeste – com extensão de 1.973 quilômetros –, sejam entregues à iniciativa privada, para que recebam investimentos.

A renovação da concessão da ferrovia deve ser considerada prioridade no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) da gestão Bolsonaro. A proposta é prorrogar a concessão da Empresa Rumo, com a contrapartida de investimentos de até R$ 5 bilhões, segundo conversa do governador Reinaldo Azambuja e do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, em novembro do ano passado. À época, Freitas era o secretário de Coordenação de Projetos da Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos (SPPI) da Presidência da República.

A Empresa Rumo terá o retorno deste investimento, com a demanda de fertilizantes – já fechada em acordo com a Bolívia por meio da empresa Hinove –, grãos, líquidos e aço, já que uma parte deste liga metálica consumida na Bolívia sai do Brasil.

Aeroportos

Também estão na mira das concessões os aeroportos de Campo Grande, Corumbá e Ponta Porã, que podem ir para a administração privada até 2022. Os três aeroportos do Estado devem formar o bloco São Paulo-Mato Grosso do Sul, que inclui ainda o Aeroporto de Congonhas, com investimentos de US$ 2,5 bilhões (cerca de R$ 9,4 bilhões). O plano foi formulado no fim do ano passado pelo PPI, da qual o atual ministro de Infraestrutura era integrante, e pela Secretaria de Aviação Civil (SAC).

Na tarde de quinta-feira (3), após reunião com ministros de seu governo, o presidente divulgou no Twitter: “Rapidamente, atrairemos investimentos iniciais em torno de 7 bilhões de reais, com concessões de ferrovia, 12 aeroportos e 4 terminais portuários. Com a confiança do investidor sob condições favoráveis à população, resgataremos o desenvolvimento inicial da infraestrutura do Brasil”.

Estas concessões foram formuladas no governo do ex-presidente Michel Temer, que marcou para março deste ano os leilões da Ferrovia Norte-Sul, de 12 aeroportos e de quatro terminais portuários.

Segundo a estimativa do PPI, estas outorgas dos projetos devem levantar mais de R$ 4,5 bilhões, sendo R$ 1,35 bilhão referente à concessão da Ferrovia Norte-Sul, com leilão previsto para ser realizado em 28 de março deste ano, na sede da B3, em São Paulo.

(*) Correio do Estado

Aeroporto de Campo Grande está no projeto de privatizações elaborado pelo governo federal - Foto: Álvaro Rezende / Correio do Estado

Comentários