31.5 C
Três Lagoas
sábado, 22 de janeiro, 2022
InícioNotíciasCom medo, adolescente faz parto sozinha em casa, diz que achou bebê,...

Com medo, adolescente faz parto sozinha em casa, diz que achou bebê, mas revela estupro

Veja na matéria como denunciar abuso e exploração sexual

Adolescente de 13 anos deu à luz uma menina sozinha em seu quarto nesta segunda-feira (10), na cidade de Araucária, no Paraná.

Assustada, a garota contou que teria achado a bebê abandonada. Depois de algumas conversas, os pais dela descobriram que a recém-nascida era, na verdade, neta deles e que a adolescente foi vítima de estupro.

O pai da menina grávida falou que ele estava em um pequeno estádio nas proximidades de sua casa quando a filha chegou com um bebê, afirmando que tinha encontrado a criança abandonada no local.

“A criança nasceu lá dentro de casa, no quarto dela. Não escutei nada porque eu durmo no estádio. Como a televisão fica ligada para o meu filho [menor] em casa, eles não conseguiram escutar nada. Daí ela ficou das três até umas quatro e meia [da madrugada] e teve o nenê, daí ela limpou a nenezinha, cortou o umbigo e trouxe aqui para eu ver”, contou ao site RicMais e divulgado pelo R7.com.

Ainda conforme a reportagem, o pai disse que chamaria a polícia, porque o bebê tinha sido abandonado, entretanto, a adolescente começou a ficar nervosa e pediu para adotar a criança. “Aí nessa hora eu notei que tinha alguma coisa de errado”, disse o pai.

Ao questionar, a adolescente confirmou que era mãe da recém-nascida e que tinha feito o parto em casa, sozinha.

A avó da menina disse que a família ficou assustada devido ao risco que a garota passou: “Se ela não ganha a criança, se precisasse uma cesárea, ia achar as duas mortas”, pontuou.

E o caso fica ainda mais grave quando a adolescente revelou ter sido estuprada aos 12 anos e engravidou. Ela contou, segundo o pai, que o homem que a estuprou, de 30 anos, era um segurança do estádio, mas que não mora mais em Araucária.

Ela teria sido chamada em um canto e foi estuprada. Depois, o suspeito disse que não era para ela contar para ninguém sobre o abuso, a ameaçou e afirmou que seria perigoso para a família dela.

Casos como esses já foram divulgados. Em 2016, o G1 divulgou um caso semelhante na cidade de Mamanguape, no litoral norte da Paraíba, onde uma adolescente de 15 anos teve o bebê em casa, após ser abusada.

À época, menina foi abusada por um conhecido da família.

No dia 18 de maio, é o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. O mês também é marcado pela campanha “Maio Laranja”, que conscientiza a população e promove ações contra ambos os crimes.

De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o abuso sexual se caracteriza “como toda ação que se utiliza da criança ou do adolescente para fins sexuais”. Ele pode ser praticado presencialmente ou por meio eletrônico.

Já a exploração sexual é “o uso da criança ou do adolescente em atividade sexual em troca de remuneração ou qualquer outra forma de compensação”, também de forma presencial ou on-line.

Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 anos é previsto como crime de estupro de vulnerável e tem pena, conforme o Código Penal, de 8 a 15 anos de reclusão.

O Código Penal define também de 4 a 10 anos de prisão para quem submete, induz ou atrai à prostituição ou outra forma de exploração sexual alguém menor de 18 anos que não tem o necessário discernimento para a prática do ato, facilitá-la, impedir ou dificultar que a abandone.

DENÚNCIAS:

DISQUE 100
O canal de denúncia da Mulher, Família e dos Direitos Humanos é um serviço de proteção a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual.

Ele funciona diariamente, das 8h às 22h, e qualquer pessoa pode prestar uma queixa, seja menor ou maior de idade. O serviço também recebe denúncias que envolvem violação de direitos de grupos considerados vulneráveis, como minorias e a comunidade LGBTQ+.

Ao fazer a ligação, você relata o caso e eles registram sua denúncia. Ela é encaminhada para o órgão responsável e depois há um monitoramento do Disque 100, que entra em contato você para dizer os próximos passos. A chamada é gratuita.

DISQUE 180
A Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência também é um canal anônimo de denúncias. Diferente do Disque 100, ele é estritamente reservado para casos de abuso e agressão contra mulheres. A denúncia pode ser feita 24h, por qualquer pessoa, de qualquer lugar do Brasil e de outros 16 países (Argentina, Bélgica, Espanha, EUA (São Francisco), França, Guiana Francesa, Holanda, Inglaterra, Itália, Luxemburgo, Noruega, Paraguai, Portugal, Suíça, Uruguai e Venezuela). O registro também é feito e enviado para a Segurança Pública. Uma cópia também vai para o Ministério Público.

PROTEJA BRASIL

Se preferir fazer uma denúncia online, o UNICEF tem o aplicativo Proteja Brasil. Ele é gratuito e está disponível para Android e iOS.

DELEGACIA MAIS PRÓXIMA

Qualquer delegacia próxima da sua casa, em caso de vítimas menores de idade, o ideal é que esteja acompanhada do responsável.

Comentários
MATÉRIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

error: Este Conteúdo é protegido! O Perfil News reserva-se ao direito de proteger o seu conteúdo contra cópia e plágio.