29/04/2014 10h45 – Atualizado em 29/04/2014 10h45

Na parte sem pavimentação asfáltica, no prolongamento da avenida após a BR-262, a avenida Rosário Congro, segundo os reclamantes, necessita de melhorias como patrolamento e encascalhamento

Léo Lima

O estado em que se encontra atualmente a avenida Rosário Congro, em sua extensão após a rodovia BR-262, no Parque Mangueiras, em Três Lagoas, com a via ainda sem pavimentação asfáltica apresentando declives acentuados no leito, necessitando de patrolamento e cascalhamento, assim como roçada onde deveria haver calçadas, está preocupando a comunidade do bairro.

“Eu mesmo já tive que tirar do bolso para bancar cascalhamento em parte da avenida em frente a minha empresa, pois vi que reclamar apenas não ia dar em nada”, desbafou indignado o empresário Agnaldo Souza Cordeiro, 43 anos, que há alguns anos tem instalado, na esquina da referida avenida com a rua João Tomes, a oficina de reparos de veículos automotores.

Segundo Cordeiro, “ninguém [condutores de veículos] percebe os quebra-molas [obstáculos para reduzir velocidade]; a avenida está precisando de patrolamento e não é só isso, cascalhamento, pois em dias de chuva isso aqui vira um lamaçal –muita lama”. Em tempos secos, conforme ele, a poeira invade as casas.

Outro fator que facilmente se verifica em toda a extensão da avenida, após a rodovia federal, é a falta de calçadas, onde o mato toma conta não somente dos terrenos baldios (em grande quantidade) como daquilo que poderia ser o passeio público. Com isso, os pedestres tem que usar a pista da avenida, disputando espaço com os veículos e colocando em risco suas vidas.

Agnaldo observa, no entanto, que a situação na avenida se encontra nesse estado por culpa de “toda a administração municipal, não somente pela prefeita [Marcia Moura]”. Para ele, existem setores específicos para o atendimento a essa área (obras públicas). No entanto, as reclamações são endereçadas, mas demoram a ter solução.

“O melhor mesmo seria que o asfalto fosse realizado”, resumiu Agnaldo.

Na parte sem asfalto da avenida Rosário Congro, em tempos sem chuva a poeira invade as casas; quando chove, o lamaçal prejudica o trânsito (Foto: ricardo Ojeda)

O empresário Agnaldo Cordeiro afirma que teve de gastar dinheiro para conservar a via em frente a sua empresa (Foto: Ricardo Ojeda)

Em toda a extensão da avenida, os moradores reclamam da poeira e da sujeira no bairro (Foto: Ricardo Ojeda)

Comentários