29.2 C
Três Lagoas
sexta-feira, 28 de janeiro, 2022
InícioNotíciasConcurso da Beleza Negra da Escola Antonio Henrique Filho teve 10 mil...

Concurso da Beleza Negra da Escola Antonio Henrique Filho teve 10 mil interações no Facebook

Com 466 votos o público escolheu para Miss Infantil: Maria Eduarda Silva e com 241 votos, foi eleito o  Mister Infantil: Matheus da Silva

No final da tarde de sexta-feira (20), a Escola Municipal Antonio Henrique Filho realizou a contagem dos votos do III Concurso da Beleza Negra. Neste ano, por conta da Pandemia, a escolha dos estudantes pretos e pardos foi através da votação popular, através de mais curtidas nas fotos no perfil do Facebook da Escola. Somando todas as curtidas nas fotos dos candidatos, o concurso teve mais de 10 mil interações.

Com 466 votos o público escolheu para MISS INFANTIL: Maria Eduarda Silva e com 241 votos, foi eleito o  MISTER INFANTIL: Matheus da Silva.

Já na CATEGORIA JUVENIL, Com 366 votos, a estudante Eduarda Gabriela foi eleita e com 132 votos, o aluno Luiz Gustavo foi escolhido.

 “O nosso Concurso que tinha a tímida pretensão de aproximar a comunidade escolar e local pela a valorização das belezas e identidades de meninas e meninos pretos/as e pardos/as, proporcionando assim autoestima e enfrentamento nos padrões de belezas estabelecidos pelas mídias e sociedade”, comentou a professora de História e organizadora do evento, Marciana Santiago.

A professora também disse sobre os impactos que o concurso gerou entre os candidatos. “Vimos que este ato perpassou qualquer anseio por nós pré-estabelecidos, à medida que percebemos os frutos desta ação, como por exemplo, quando ouvimos de uma mãe que ao convidar a sua filha para participar do Concurso a mesma disse: ‘mas, mãe… é um Concurso de Beleza Negra!’; sabiamente a mãe respondeu: ‘da cor branca, que não somos’. Depois desta resposta, ambas começaram a refletir sobre a construção conflituosa da identidade preta no nosso país e sua filha nos enviou uma foto para a participação no Concurso”, destacou.

Para a organizadora, a iniciativa cumpre o papel estabelecido no currículo escolar bem como tem a função social. “Esta e outras tantas experiências nos faz afirmar que mesmo em aulas remotas, a nossa Escola cumpri o seu papel ao proporcionar reflexões asseguradas pela Lei 11.645/08, que torna obrigatório o Ensino da História e Cultura Afro-brasileira e Africana em todas as Escolas, públicas e particulares, do Ensino Fundamental até o Ensino Médio e os temas contemporâneos, da BNCC, tais como:  O Estudo da História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena e Cultura sul-mato-grossense e diversidade cultural”, ressalta.

A professora finalizou destacando todos que estiveram no concurso. “Saiba que cada um/a de vocês, participantes, arrebataram os nossos corações e mais do que isto, ao trazerem em evidência a ancestralidade, o sorriso profundo em cada olhar, assim como a beleza da cor da noite e tantos outras poesias marcadas em seu corpo negro; estão escrevendo um novo horizonte, mais plural, inclusivo e democrático para a Educação e sociedade”, finaliza.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Comentários
MATÉRIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

error: Este Conteúdo é protegido! O Perfil News reserva-se ao direito de proteger o seu conteúdo contra cópia e plágio.