25/04/2014 08h55 – Atualizado em 25/04/2014 08h55

Coluna diária com os mais diversos tópicos políticos do Mato Grosso do Sul

Williams Araújo

MARCHA À RÉ

Fontes palacianas garantem que revés político iminente deve alterar todo o cenário eleitoral que se desenha em Mato Grosso do Sul, atualmente com o confronto previsto entre o senador Delcídio do Amaral (PT) e o ex-prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad (PMDB).

A reviravolta teria a ver com resultado de pesquisa de intenções de voto amplamente desfavorável a gente que, embora credenciado, não mexe uma palha para melhorar seu desempenho.

CALMARIA

Para quem estava acostumado a assistir acalorados debates na Assembleia Legislativa – nas galerias da Casa ou via TV Assembleia – estranha tamanha calmaria e sessões relâmpago com poucas deliberações de uns dias para cá.

Talvez, por não saber que em ano eleitoral os parlamentares têm sinal verde da Mesa Diretora da Casa para se organizar politicamente visando suas reeleições. Afinal, quem cochilar, o cachimbo pode cair.

TENSÃO

Político sul-mato-grossense tido como de boa fé para muitos, estaria numa roubada por constar da lista negra do doleiro Alberto Youssef, acusado de chefiar um esquema de lavagem de dinheiro que chegou a movimentar R$ 10 bilhões nos últimos quatro anos.

Dizem que o dito cujo está com as barbas de molho por causa do episódio envolvendo o deputado André Vargas (PT-PR), amigo do peito do doleiro, a ponto de até o PT pedir a renúncia de seu mandato na Câmara.

ABUSO

Zeca do PT anda uma arara com o fato de o Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado) ter “invadido” as dependências da Câmara da Capital armado para notificar os vereadores Flávio César, Otávio Trad e Eduardo Romero, todos do PTdoB.

Prometeu recorrer ao CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) para que seja verificada a conduta do grupo, a qual classifica de abusiva.

LOBBY

Os prefeitos estão se mobilizando para participar da XVII Marcha à Brasília em Defesa dos Municípios, que ocorrerá de 12 a 15 de maio deste ano, no Centro Internacional de Convenções do Brasil.

Com o tema “A Crise dos Municípios e a Conjuntura Atual”, o movimento municipalista espera atrair a participação de cerca de 4 mil gestores públicos de todo o País. Durante dois dias, ninguém vai querer estar na pele da presidente Dilma.

Comentários