30/06/2017 07h10

O movimento é organizado pelas centrais sindicais e acontece em todo Brasil. Em Três Lagoas o bloqueio das rodovias começou às 5 horas, como aconteceu na BR 262

Ricardo Ojeda

Quem precisou viajar ou teve que sair para trabalhar nas fábricas instaladas às margens das rodovias de Três Lagoas não conseguiu. Todas as entradas e saídas da cidade estão bloqueadas por manifestantes desde as 5 horas desta sexta-feira. O protesto foi convocado pelas centrais sindicais e acontece simultaneamente em todo país. A greve geral está sendo organizada pelas centrais sindicais protestam contra o governo do presidente Michel Temer, contra as reformas da previdência e trabalhistas que estão sendo discutidas no Congresso Nacional. Todos os sindicatos de Três Lagoas participam da manifestação.

OUTROS MOVIMENTOS

Além dos sindicalistas, integrantes do MST e Andradina e Castilho, e outros movimentos sociais estão participando, engrossando o número de manifestantes. A Polícia Rodoviária Federal está acompanhando, organizando o trânsito desde o início da manifestação. No trevo de acesso à Brasilândia, o movimento de veículos só não é maior, graças a pronta intervenção dos agentes da PRF.

Na BR 262, sentido Campo Grande, próximo aos trilhos da rede ferroviária, os manifestantes colocaram fogo em pneus, causando congestionamento nos dois lados da via. Por conta disso, a PRF acionou uma equipe do Corpo de Bombeiros que foram até o local apagar o fogo. Só depois disso é que a rodovia foi liberada, por volta das 6 horas. Uma grande fila se formou naquele trecho da rodovia.

FAIXAS E CARTAZES

Outra grande extensão de veículos e caminhões parados é na saída de São Paulo próximo ao Posto São Luiz e a Mabel. Naquele local, a fila nos dos lados da via foi se formando desde as cinco horas da manhã, os manifestantes portam faixas de cartazes com dizeres contrários às medidas do Governo Federal enviada ao Congresso Nacional para votação.

Na BR 262, sentido Campo Grande, próximo aos trilhos da Rede Ferroviária, os manifestantes colocaram fogos em pneus. PRF teve que acionar o Corpo de Bombeiros (Fotos: Patricia Ozório)

De acordo com o presidente do Sintricom (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil, Imobiliário, Cerâmica e Montagem de Três Lagoas), Aldenizio dos Santos Sales, disse que o movimento vai ficar na rodovia até o final da manhã e depois, os manifestantes seguirão para o centro da cidade, onde devem concentrar-se na Praça Ramez Tebet, para um ato contra as reformas enviadas pelo Governo Federal ao Congresso Nacional para serem discutidas e votadas.

Segundo o sindicalista, todas as entradas e saídas de Três Lagoas estão fechadas e só serão liberadas após decisão do comando do movimento. Ele falou ainda que no movimento na saída de Brasilândia, cerca de cem manifestantes dão apoio.

Ônibus que transportam trabalhadores para o canteiro de obras da Fibria, também não conseguiram passar pelo bloqueio. Por conta disso, é grande o número de pessoas atingidas pela manifestação, que estão impedidas temporariamente de seguir para seus locais de trabalho.

Quando o dia clareou já dava para ver a dimensão da fila de veículos e caminhões parados na BR 158, sentido Brasilândia (Foto: Ricardo Ojeda)

Na BR 262, (avenida Ranulpho Marque Leal) , na saída para São Paulo foi o local que registrou maior número de veículos parados (Foto: Ricardo Ojeda)

A pronta ação dos agentes da PRF no trevo de acesso para Brasilândia impediu a formação de congestionamento na BR 262.(Foto: Ricardo Ojeda)

Na Ranulpho Marques Leal (BR 262) a fila de carretas com eucaliptos é extensa (Foto: Ricardo Ojeda)

Comentários