16/04/2015 08h52 – Atualizado em 16/04/2015 08h52

CORREÇÃO

Nada que uma boa pressão não corrija erros cometidos na gestão pública. Assim pode-se entender o recuo de órgão fiscalizador em mudar de ideia e resolver chamar o pessoal que se preparou, pagou a inscrição e passou em concurso. Mas isso só aconteceu devido a grita dos habilitados e, principalmente da imprensa, que não mediu esforços no sentido de fazer justiça com quem efetivamente merecia. Quem estava com o pé no estribo do chamado ‘trem da alegria’ teve que dar meia volta.

A FUNDO

Os integrantes da CPI da Enersul/Energisa sabem muito bem como a investigação vai começar, só não sabem, porém, aonde ela vai chegar. Já tem gente falando em ir a Brasília pedir reforço à bancada federal para aprofundar bem o assunto. Sabem, porém, que após o mau cheiro começar a exalar, não há mais ninguém que segure. Antes, um aviso: ao invés de irem a Brasília, porque não solicitar essa ajuda por aqui mesmo. Afinal, de quinta à noite até segunda todos estão por aqui.

DESTOANTE

Nada casual, mas, mesmo assim, provocou saia justa em Reinaldo Azambuja (PSDB) durante recepção ao governador José Ivo Sartori (PMDB-RS). Como anfitrião, o tucano precisou fazer as honras da casa, gesto também feito pelo correligionário do visitante, o ex-governador André Puccinelli. O encontro foi inevitável, mas, pelo foco da foto registrada pela imprensa, percebe-se que Azambuja preferiu manter-se o mais distante que pode do antecessor. Tudo tem a ver, certamente, com a auditoria no governo.

PENDENGA

A bancada do PT na Assembleia Legislativa sofreu derrota com a decisão do juiz Marcelo Ivo de Oliveira, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos, Individuais e Homogêneos de Campo Grande, de manter a obrigatoriedade de vistoria anual para veículos com mais de cinco anos de fabricação. A decisão em caráter liminar é em resposta a Ação Popular interposta pela bancada do partido na Casa contra portaria de dezembro de 2014, do (Detran (Departamento Estadual de Trânsito).

OLHO NO OLHO

O senador Waldemir Moka (PMDB) cobrou ontem, durante reunião da Comissão de Infraestrutura do Senado, a divulgação dos investimentos do governo federal previstos para 2015. Ele quer que os ministros Joaquim Levy, da Fazenda, e Nelson Barbosa, do Planejamento, participem de audiência no Senado para detalhar os planos da União. Segundo ele, é preciso que o Brasil vá mais além da discussão pura e simples do ajuste fiscal, evitando sujeitar todo o restante do debate sobre problemas nacionais e suas soluções a esse tema.

Comentários