O município de Três Lagoas foi classificada como bandeira vermelha (risco alto) no Programa de Saúde e Segurança da Economia (Prosseguir). A atualização do grau de risco nos 79 municípios do Estado, com base nos dados da 52ª semana epidemiológica do Programa de Saúde e Segurança da Economia (Prosseguir), foram divulgados nesta quarta-feira (30). 

Além dos relatórios situacionais de cada região de Mato Grosso do Sul e as recomendações para reduzir o impacto da doença, o Governo do Estado tem buscado medidas mais restritivas para diminuir o número de óbitos que aumentou consideravelmente neste mês de dezembro. Com esse objetivo, o governador Reinaldo Azambuja decidiu prorrogar por mais 15 dias o toque de recolher, das 22h às 05h, conforme Decreto nº 15.574, publicado em edição extra do Diário Oficial do Estado desta segunda-feira (28).

Conforme a secretária adjunta de Saúde, Christine Maymone, a situação tem exigido do governo estadual um grande esforço para conter o avanço da pandemia, uma vez que a taxa de contágio no Estado está muito alta e o sistema de saúde está operando no limite da sua capacidade.

“Nosso objetivo continua sendo salvar a vida das pessoas e estamos adotando medidas para conter ao máximo a evolução desta doença. Gestores municipais devem manter as restrições de acordo com sua classificação de risco, que são embasadas em critérios técnicos. É necessário que a população também faça sua parte, evite aglomerações e observe os protocolos de biossegurança. Nesse momento tão difícil, enquanto aguardamos a vacina, é muito importante o esforço de todos para diminuir a circulação viral”, esclareceu a secretária.

MAPA SITUACIONAL

No mapa atualizado hoje (30), constam 61 cidades na bandeira vermelha (risco alto), 13 em laranja (risco médio), um município em amarelo (risco tolerável) e nenhum na cor verde (risco baixo). Já Dourados, Coxim, Coronel Sapucaia e Nioaque aparecem na coloração cinza (faixa de risco extremo).

Em um comparativo com a última divulgação do Programa divulgada na 50ª semana, 51 municípios permaneceram na mesma classificação de risco, apenas 11 cidades progrediram e 17 regrediram no grau de risco.

AVALIAÇÃO

Para gerar essa classificação, o programa avalia indicadores municipais relacionados à disponibilidade de leitos de UTI, quantidade de Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s), busca por contatos de casos confirmados, redução da mortalidade por Covid-19, disponibilidade de testes, incidência na população indígena, redução de casos entre profissionais da saúde, redução de novos casos, necessidade de expansão de leitos e situação de fronteira com país ou divisa com Estado que tenha aumento de casos.

Os mapas situacionais atualizadosrecomendações para os municípios e a distribuição das atividades econômicas por faixa de risco estão disponíveis no site www.coronavirus.ms.gov.br (link Prosseguir).

METODOLOGIA DO PROGRAMA

Periodicidade – A cada duas semanas são enviados relatórios com recomendações para todos os municípios, baseadas nos dados do fim da semana (último sábado), obtidos pelo cruzamento dos indicadores de Vigilância Epidemiológica, Saúde e Impacto Econômico.

Alimentação dos Dados – A atualização dos dados que compõem os indicadores é de responsabilidade das Secretarias Municipais de Saúde de cada município, de forma que o atraso ou o não fornecimento das informações compromete a avaliação situacional do município.

MUDANÇA DE BANDEIRAS– Seguindo as recomendações da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), embora o monitoramento dos dados seja diário, com reunião semanal de análise, os municípios só podem mudar de cor (faixa) após 14 dias – mesmo que os dados diários indiquem a mudança de situação. Quando a mudança de situação for para melhor, a metodologia prevê que não se pode ‘pular’ faixas (por exemplo, mudar diretamente da faixa laranja para a verde sem passar pela amarela). Já quando a mudança de situação for para pior, permite-se ‘pular’ bandeiras (sair da amarela e ir diretamente para a vermelha, por exemplo), devido à urgência na adoção de medidas.

CLASSIFICAÇÃO DE RISCO DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS – A Classificação de Risco das Atividades Econômicas (em baixo, médio e alto) também pode ser alterada a qualquer momento pelo Comitê Gestor, pautada em justificativa técnica com foco na melhoria dos resultados da matriz de risco (conforme artigo 10 do Decreto nº 15.462 de 25/06/2020).

Comentários