18/08/2014 12h07 – Atualizado em 18/08/2014 12h07

Crianças já estão sendo vacinadas contra hepatite A no Mato Grosso do Sul

O público-alvo no estado é de 42,2 mil crianças. Mato Grosso do Sul recebeu até o momento 30.800 doses. A vacina é segura e, praticamente, isenta de reações adversas

Amanda Mendes, Agência Saúde

Mato Grosso do Sul passa a ofertar a partir deste mês de agosto a vacina contra a hepatite A destinada às crianças na faixa etária de 12 meses a dois anos incompletos. A vacina já está disponível nos postos do Sistema Único de Saúde (SUS) de todo o país. A meta para este ano é imunizar 95% do público-alvo – cerca de três milhões de crianças. No estado de Mato Grosso do Sul, 42.246 das crianças devem ser vacinadas, nos primeiros doze meses de imunização.

A oferta da nova vacina é uma das ações do Ministério da Saúde que marcou o Dia Mundial de Luta contra Hepatites Virais, celebrado em 28 de julho. O esquema vacinal preconizado pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, prevê uma dose única da vacina. Entretanto, será feito monitoramento da situação epidemiológica da doença para definir sobre a necessidade de inclusão de uma segunda dose no calendário da criança.

O Ministério da Saúde investiu R$ 111,1 milhões na compra de 5,6 milhões de doses da vacina. Para 2014, os estados e municípios receberão 2,7 milhões de doses da vacina. O restante será usado em 2015. Mato Grosso do Sul recebeu até o momento 30.800 doses da vacina.

O ministro da Saúde, Arthur Chioro, considera que a introdução da vacina contra a hepatite A é um grande avanço para a melhoria da saúde da população. “Já houve uma redução significativa da circulação viral da hepatite A no país com a melhoria das condições sanitárias. Com a vacinação das crianças, grupo mais vulnerável e exposto à doença, podemos diminuir ainda mais a circulação deste vírus”, ressaltou o ministro.

Para o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, a vacina contra hepatite A passa a ser uma importante ferramenta de prevenção da doença. “A vacina, tomada na infância, gera proteção para a vida inteira e evita casos graves e óbitos, causados pela doença”, explicou o secretário.

As doses para o início da vacinação já foram enviadas para todas as secretarias estaduais de saúde, assim como os materiais instrucionais para a correta aplicação na população-alvo. A vacina contra a hepatite A é segura e, praticamente, isenta de reações adversas. Como em qualquer outra vacina, podem ocorrer alguns efeitos, como inchaço no local da aplicação e vermelhidão, ou outras reações generalizadas, como fraqueza, cansaço, febre e dores no corpo.

SOBRE A DOENÇA

A hepatite A é habitualmente benigna e raramente apresenta uma forma grave (aguda e fulminante). De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), todos os anos ocorrem cerca de 1,4 milhão de casos de hepatite A no mundo, sendo identificados casos esporádicos e epidemias. No Brasil, estima-se que ocorram por ano 130 novos casos a cada 100 mil habitantes.

A principal forma de contágio da doença é a fecal-oral, por contato entre as pessoas infectadas ou por meio de água e alimentos contaminados. A estabilidade do vírus no meio ambiente e a grande quantidade de vírus presente nas fezes dos indivíduos infectados contribuem para a transmissão. A disseminação está relacionada com infraestrutura de saneamento básico e a aspectos ligados às condições de higiene praticadas.

Comentários