04/08/2017 13h59

Segundo a mãe de uma delas, o tio-avô da outra não percebeu a troca por elas serem parecidas e ele estar sem seus óculos de grau.

Flávio Veras

O desaparecimento da Maria Eduarda Malaquias Denis, de 3 anos, não passou de um mal entendido. Foi o que afirmou a mãe da criança, Lydia Malaquias, em entrevista ao Perfil News, na manhã de hoje (4). A criança foi levada por engano por um senhor que foi até o Centro de Educação Infantil (CEI) Santa Luzia para buscar sua sobrinha-neta, que tem a mesma idade e o mesmo nome e, por isso, teria havido a troca.

A garota foi encontrada por volta das 17h50 de ontem(4), após sua mãe relatar o desaparecimento em seu Facebook. Em pouco tempo, a notícia viralizou nas redes sociais e obteve diversos compartilhamentos.

De acordo com a Lydia, o senhor levou a menina por engano porque seus óculos de grau estão quebrados. “Ele não percebeu porque elas são muito parecidas. Ele até comentou que ligou para a mãe da outra criança por perceber que ela estava muito quieta. Porém, ele só foi se atentar sobre o erro quando sua esposa chegou em casa e falou que essa não era a filha de sua parente”, explicou.

No entanto, a mãe responsabiliza o CEI, pois, ela alega que, por morar ao lado da escola, todos os funcionários conhecem sua família. “Não tem justificativa pelo erro que eles cometeram. Ninguém vai buscar a Maria Eduarda a não ser eu e meu marido. Outra coisa, ela foi com o senhor porque, como existe outros passeios fora da escola, ela achou que se tratava disso e também por acreditar na funcionária que a entregou a ele”.

FAMÍLIA ASSUSTADA

Ainda segundo Lydia, a situação mobilizou toda família. “Meu marido voltava de uma viagem com a minha quando eu os avisei. Portanto, eles ficaram muito preocupados e até meu filho, de oito anos, ficou sabendo do ocorrido e veio chorando para casa, após sair da escola. Foi uma situação que nos assustou muito”, reforçou.

COMPREENSÃO

Com o alívio, a preocupação da família se voltou ao homem que a pegou por engano. “Ele é uma boa pessoa, pois todos da minha família o conhece. Como estávamos desesperados para ver se a nossa filha estava realmente bem, nem percebemos que ele estava muito abalado. Após chegarmos em casa, nós ligamos para saber se estava tudo bem, porém ele ainda estava com peso na consciência. Por isso, todos fomos visitá-lo para que realmente se acalmasse”, finalizou.

OUTRO LADO

A reportagem entrou em contato com o CEI Santa Luzia, no entanto, a diretora do colégio não estava no momento e somente ela poderia se declarar sobre o caso. Portanto, não obtivemos resposta da unidade escolar.

Maria Eduarda foi encontrada por volta das 17h50 pela família (Reprodução Facebook)

Comentários