07/05/2015 17h31 – Atualizado em 07/05/2015 17h31

A luta pela reestruturação do INCRA, para que seja o fim dos cinco anos sem Reforma Agrária em MS, continua

Assessoria

A rodovia BR-267, trecho que liga Nova Casa Verde a Nova Alvorada do Sul, amanheceu trancada por cerca de duzentos sem terras do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra de Mato Grosso do Sul). A ação faz parte de uma jornada de lutas que se iniciou com a Marcha da Classe Trabalhadora do Campo e da Cidade, no dia 1º de maio e culminou na ocupação da sede do INCRA/MS (Instituto Nacional de Colonização da Reforma Agrária) nessa quarta-feira (6).

Segundo o membro da direção do MST/MS, Jonas Carlos da Conceição, com o passar dos dias o movimento tem ampliado suas ações para cobrar respostas dos órgãos públicos responsáveis. “Já fazem mais de uma semana que estamos em luta e essa é a única maneira que estamos vendo para conseguirmos respostas do INCRA Nacional diante ao cenário do órgão em MS. Cinco anos sem Reforma Agrária, sucateamento da estrutura física do Instituto e sem ações concretas em nossos assentamentos”, disse.

AÇÕES

Para o também dirigente do MST/MS, Dinho Lopes, as ações conjuntas são necessárias para mostrar o quanto a situação está caótica em Mato Grosso do Sul. “A nossa base está tomando essa ação para apoiar os mais de seiscentos sem terras que estão ocupando o INCRA e os mais de mil militantes dos movimentos que marcharam durante cinco dias para reivindicar por Reforma Agrária, dentre outras questões, pois estão sentindo na pele o que é um órgão que não consegue cumprir sua função e sacrifica as pessoas que dependem dele para ter uma vida mais digna”, afirma.

Desde o dia 1º de maio os movimentos sociais e sindicais de Mato Grosso do Sul estão em luta, após cinco dias da Marcha da Classe Trabalhadora do Campo e da Cidade, cerca de mil pessoas participaram de um grande ato em uma das principal praça de Campo Grande, a Ary Coelho, na manhã da última terça-feira (5), logo após isso os movimentos agrários deram continuidade a sua luta e ocuparam a sede do INCRA e depois da realização de uma grande Assembleia Geral dos movimentos a definição é permanecer no órgão até acontecer deliberações nacionais que apontem a saída para a situação da Reforma Agrária em Mato Grosso do Sul.

Na ação de ocupação desta quarta-feira estão participando militantes do MST/MS, da Federação dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (Fetagri), do Movimento Camponês de Luta pela Reforma Agrária (MCLRA) e da Central Única dos Trabalhadores de Mato Grosso do Sul (CUT/MS).

(*) MST/MS

Representantes do MST fecharam a BR-267 com pneus. (Foto: Assessoria)

Comentários