20/08/2014 12h26 – Atualizado em 20/08/2014 12h26

O candidato afirmou que fará uma gestão democrática, com forte viés social

Da Redação

O candidato da coligação Mato Grosso do Sul com a Força de Todos, Delcídio do Amaral, vai criar uma secretaria para fazer a articulação do governo com os sindicatos e movimentos sociais. A decisão foi anunciada ontem (19), durante reunião na sede da Federação dos Trabalhadores em Educação (Fetems), em Campo Grande.

“Faremos uma gestão democrática, compromissada com o cidadão, para que tenhamos um estado com oportunidades para todos, com as mãos estendidas para as famílias que vivem abaixo da linha da miséria. Nosso governo terá um viés social intenso, olhando com atenção os negros, os índios, as mulheres e os trabalhadores. Partindo desse princípio vamos criar a Secretaria de Movimentos Sociais, para fazer a articulação com as entidades que representam a sociedade civil e vão nos ajudar nessa empreitada”, anunciou o candidato, durante seminário promovido pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), com lideranças do Distrito Federal e os estados do Centro-Oeste.

Em Mato Grosso do Sul, a CUT é formada por 114 sindicatos que representam 130 mil trabalhadores de 62 municípios. “Delcídio tem compromisso com os mais carentes e isso fortalece a nossa esperança de um futuro melhor para o nosso estado. O projeto dele representa o anseio da classe trabalhadora pela sua visão social e conhecimento da nossa realidade”, disse Genilson Duarte, presidente da CUT-MS, ao anunciar apoio ao candidato da Força de Todos.

ARTICULAÇÃO

Delcídio explicou porque é necessária uma boa articulação com os movimentos sociais. “Temos em Mato Grosso do Sul algumas situações extremamente preocupantes, entre elas a demarcação de terras indígenas. Essa é uma questão de estado que muitos tentam transformar em debate politico, estimulando a luta entre indígenas e produtores, o que não ajuda a nenhum dos lados. Já passou da hora de resolvermos definitivamente a questão, indenizando os fazendeiros de Sidrolândia e Dois Irmãos do Buriti e utilizando a solução adotada ali para outras regiões do estado onde exista questionamento semelhante. O governo do estado tem que participar desse processo, como também das questões relacionadas a reforma agrária. Os nossos assentamentos enfrentam inúmeras dificuldades, desde a falta d`água e de assistência técnica aos produtores até a manutenção das estradas vicinais. Temos muito a construir na saúde, na educação, na segurança pública, e faremos isso dialogando com a população”, finalizou o candidato.

(*) Com informações de Assessoria de Imprensa

Delcídio reunido com trabalhadores na sede da Fetems. Futuro governo terá forte viés social (Foto: Divulgação)

Comentários