25/04/2014 10h51 – Atualizado em 25/04/2014 10h51

A cidade conta apenas com uma vara do judiciário estadual, acumulando mais de sete mil processos

Da Redação

O deputado estadual Amarildo Cruz (PT), juntamente com os vereadores Gerson Miranda da Silva e Laurindo Luiz Marquezan, do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Mato Grosso do Sul, Júlio Cesar Rodrigues, e do vice-presidente da Subseção da OAB-MS em Rio Verde, Victomar Monteiro, estiveram reunidos na tarde de hoje (24) com o presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, Joenildo de Sousa Chaves, para solicitar a implantação de mais uma vara da justiça estadual na cidade de Rio Verde.

Na ocasião, foi relatado que a cidade possui apenas uma vara do judiciário estadual. “Hoje são cerca de sete mil processos acumulados nas áreas civil, criminal e eleitoral. Necessitamos com urgência da implantação de mais uma vara judiciária para atender a demanda do município”, destacou Victomar Monteiro.

Já os vereadores Gerson Miranda da Silva e Laurindo Luiz Marquezan esclareceram ao presidente do TJ-MS que Rio Verde também necessita de mais um magistrado trabalhando na localidade. “Hoje temos apenas um juiz. Necessitamos de mais um magistrado para dar andamento aos processos parados”, ressaltou.

Conforme o deputado estadual Amarildo Cruz, a instalação de mais essa vara do judiciário é necessária devido ao crescimento do município. “Entendo a necessidade do TJ-MS de atender nosso pedido. A população de Rio Verde cresce todos os anos e essa nova vara vai facilitar a agilidade no tramite dos processos”, salientou.

Joenildo de Sousa Chaves reconheceu a importância do pleito apresentado na tarde de hoje e garantiu empenho para tentar resolver o problema de Rio Verde. “Vamos iniciar os estudos para tentar instalar essa nova vara já no próximo ano. Sabemos da necessidade do município e vamos fazer o possível para alcançar esse objetivo”, finalizou.

(*) Com informações de Assessoria de Imprensa

De acordo com o grupo, a cidade conta com um juiz apenas (Foto: Assessoria)

Comentários