20/11/2006 09h22 – Atualizado em 20/11/2006 09h22

Boa parte dos trabalhadores deve começar a receber a partir de hoje um importante reforço financeiro com o pagamento da primeira parcela do 13º salário. Segundo estimativa do economista Carlos Alberto Vittorati, devem ser injetados recursos da ordem de R$ 7 milhões na economia de Dourados, volume cerca de 5% maior que o ano passado. “Esse dinheiro é fundamental para aquecer as vendas e preparar o setor comercial e empresarial para entrar bem no ano de 2007. O volume de recursos cresceu cerca de 5% principalmente por causa do aumento no salário mínimo este ano”, avalia o economista ao ressaltar que Dourados tem aproximadamente 41 mil assalariados. Na análise de Vittorati, as pessoas que recebem o 13º salário devem usar pelo menos 50% dos recursos extras para pagar dívidas. Já a outra metade deve ser quase integralmente aplicada em compras de final de ano, sobrando apenas 5% para investimentos. “De maneira geral, mesmo os que vão pagar dívidas, acabam gastando o dinheiro no comércio”, ressalta. Entre os lojistas o clima é de expectativa, já que muitos acreditam ser um ano de retomada nos negócios depois de uma série de frustrações. O vice-presidente da Associação Comercial e Empresarial de Dourados (Aced), Antônio Freire, acredita que o setor chegou ao “fundo do poço” no ano passado, mas que a fase ruim começa a ficar para trás. “Conversamos com muitos lojistas e todos estão projetando crescimento para este ano. Diante disso estimamos que as vendas serão em média até 20% maiores que 2005”, disse. O comerciante Roberto Zuim está tão confiante nas vendas que resolveu investir no “layout” da loja. Está instalando novos balcões e preparando nova decoração a partir de hoje. “Estamos projetando vender cerca de 10% mais que o ano passado. Se atingirmos este índice já é motivo para muita comemoração”, disse Zuim. Entre os consumidores o clima de final de ano também já está influenciando. Muitos já anteciparam as compras e boa parte das pessoas já começa a especular os preços e condições de pagamento nas lojas. A estudante Kellen Terto já está cheia de planos para o 13º salário. “Estou pensando em comprar um tênis novo e alguns presentes para a família”, disse.

Comentários