Com a capacitação, a meta é que 100% dos custodiados do regime semiaberto em Três Lagoas trabalhem. Atualmente, esse índice é de 85%, considerado bastante alto, já que a média do Estado é de 34% e a nacional de 20%.

Com o objetivo de dar oportunidade de trabalho em uma área com grande demanda por mão de obra capacitada – a construção civil – reeducandos da Colônia Penal Industrial de Três Lagoas (CPITL) acabam de concluir um curso profissionalizante na área de pintura predial.

A iniciativa foi possível graças a uma parceria entre a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), Poder Judiciário, Conselho da Comunidade local, 2º Batalhão da Polícia Militar e o Instituto de Desenvolvimento Social, Econômico e Ambiental de Mato Grosso do Sul (IDSEAMS).

Com a participação de 20 alunos, as aulas teóricas e práticas foram realizadas no 2º BPM de Três Lagoas, que acabou sendo contemplado com uma revitalização da pintura, tanto das paredes como as partes em grades. O curso foi custeado com recursos do Conselho da Comunidade, com autorização do juiz Rodrigo Pedrini Marcos. Ao todo, foram investidos R$ 3.650.

O instrutor do IDSEAMS, André Luiz Moreira de Sales, destaca que os reeducandos estão aptos a analisar e preparar superfícies internas e externas de edificações a serem pintadas, combinando materiais, além de conhecimento para cálculo de quantidade e equipamentos a serem utilizados, bem como aplicação de tintas e materiais decorativos similares, dentro das normas e procedimentos técnicos de qualidade, segurança, higiene e saúde. “A área de pintura predial é um mercado cada vez mais exigente e que demanda mão de obra qualificada”, ressalta.


Saiba mais:

Falta de efetivo compromete segurança da Colônia Penal de Três Lagoas


Segundo o diretor da CPITL, José Antônio Garcia Sales, o curso, além de qualificar os reeducandos, também vai ajudar em quatro convênios ativos de trabalho na área de construção civil, que sempre necessita de pintor profissional para o trabalho.

O dirigente pontua que, com as capacitações, a meta é que 100% dos custodiados do regime semiaberto em Três Lagoas trabalhem. Atualmente, esse índice é de 85%, considerado bastante alto, já que a média do Estado é de 34% e a nacional de 20%.

Conforme Sales, um novo curso já foi autorizado pelo Poder Judiciário para ser realizado no início do ano que vem, custeado pelo Conselho da Comunidade de Três Lagoas. A nova capacitação será na área de soldador, outro mercado profissional com bastante demanda.

Fonte: Agepen

Comentários