30/08/2019 11h36

Hewerton Marchon e Kethelen Ferreira dirão o “sim” amanhã na Igreja Batista Apostólica da Nações

Thais Dias

O sonho de entrar em uma igreja de mãos dadas, sem olhares julgadores e condenatórios, vai se tornar realidade neste sábado, 31, para um casal homoafetivo de Três Lagoas.

Hewerton Marchon, um homem trans, e Kethelen Ferreira receberão benções do matrimônio na IBAN (Igreja Batista Apostólica das Nações), localizada no bairro Santos Dumont em Três Lagoas, A cerimônia, que acontecerá às 19h, é a primeira de caráter religioso a unir um casal homossexual no Mato Grosso do Sul.

A IBAN tem como característica a inclusão. Nenhum membro da comunidade sofre qualquer tipo de discriminação ou preconceito. “A igreja está dando essa grande oportunidade de realizar nosso sonho, e de concluir mais uma meta, quebrando tabu, vencendo o preconceito e mostrando que o amor não há nada que pode destruir”, afirmou o noivo.

AMOR QUE NÃO SE PEDE…

O casal se conheceu em 2017 quando frequentavam o EJA (Educação de Jovens e Adultos). Desde então, Hewerton e Kethelen não se separaram mais.

Eles moram juntos desde 2018 . O noivo contou à reportagem do Perfil News que sempre sonhou em ver sua amada, Kethelen Ferreira, entrando de noiva na igreja e mostrando a todos que o amor é indestrutível.

… AMOR QUE NÃO SE MEDE…

Após concluir o ensino médio pelo EJA, o casal começou a sonhar com a vida a dois.
Dois meses antes de oficializar o matrimônio Hewerton sofreu um acidente de moto e teve que usar cadeira de rodas para se locomover. “Pensei que iria casar numa cadeira de rodas, mas Deus e a força da minha esposa me ajudaram a superar mais este obstáculo em minha vida”, afirmou o noivo relembrando o momento que mais marcou a vida do casal.

…AMOR IGUAL AO TEU EU NUNCA MAIS TEREI

Mesmo nos dias atuais, em que tanto se fala sobre a empatia e amor ao próximo, o casal conta que ainda sofre muito preconceito e teve medo de nunca conseguir oficializar a sua união.
“Vivemos preconceito todos os dias, nos supermercados, lojas, todos os lugares possíveis. Quando conhecemos nossa igreja soubemos que lá seria nosso refúgio e que nosso sonho ia se concretizar”, contou Hewerton, com alegria nos olhos.

“Mesmo a sociedade nos dizendo que não podemos ter uma família, nós mostramos que isso é papo de gente preconceituosa. Vivo muito bem com Kethelen. Temos dois filhos, um de 17 anos e outra de 7, hoje somos uma família completa e feliz”, concluiu ele.

O GRANDE DIA

Hewerton Marchon é um homem transexual que se chamava Ewelyn antes da transição. Isso implica em burocracia para resolver a parte civil: o casal aguarda a documentação do cartório para oficializar, legalmente, a união.
“Queremos mostrar à sociedade que nosso amor é maior que o preconceito, que merecemos respeito, temos direitos e deveres, não é porque sou diferente que não posso ser gente”, disse Hewerton.

Hewerton Marchon e Kethelen Ferreira dirão o “sim

O casal se conheceu em 2017 quando frequentavam o EJA (Educação de Jovens e Adultos). Desde então, Hewerton e Kethelen não se separaram mais. (Foto/Arquivo pessoal)

Comentários