01/10/2013 13h38 – Atualizado em 01/10/2013 13h38

Deputado Eduardo Rocha participa da CPI da Saúde para ouvir diretor do HU de Dourados

O deputado estadual Eduardo Rocha se posicionou contra a reconvocação da ex-secretária e afirmou que Beatriz já fez os esclarecimentos necessários

Da Redação

O diretor-geral do Hospital Universitário de Dourados, Edson Desidério Fernandes, e a presidente do Conselho Regional de Enfermagem em Mato Grosso do Sul, Amarilis Pereira Amaral Scudellari foram ouvidos nesta segunda-feira, 30.09, pelos deputados integrantes da Comissão Parlamentar de Inquérito da Saúde, Eduardo Rocha, Junior Mochi, Amarildo Cruz e Lauro Davi.

Antes porém, os parlamentares deliberaram sobre a possibilidade de estenderem as investigações para a saúde indígena e ainda sobre a reconvocação de algumas autoridades já ouvidas pela CPI, dentre elas a ex-secretária de estado de saúde Beatriz Dobashi.

O deputado estadual Eduardo Rocha, líder do PMDB na Assembleia, se posicionou contra a reconvocação da ex-secretária e afirmou que Beatriz já fez os esclarecimentos necessários. “Sou contra ouvirmos novamente a secretária. Ela já fez o seu depoimento e ficou claro que sua conduta foi correta durante todo o tempo que esteve a frente da saúde do nosso Estado. Prova é o respeito que todos, inclusive a classe médica, têm pela ex-secretária.”

Em seguida se deu o depoimento do diretor do HU de Dourados Desidério Fernandes, que deu detalhes aos deputados da contratação da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) para parceria na administração do HU. “Nossos maiores problemas começaram a ser resolvidos na última semana. Temos inclusive a previsão de aumento no nosso número de leitos de 178 para 214, e ainda da realização de concurso para a contratação de novos profissionais”.

Questionado pelo deputado Eduardo Rocha sobre a validade do Programa Mais Médicos, o presidente da Unidade Hospitalar enfatizou que a falta de estrutura, de profissionais e o grande número de equipamentos defasados ocorrem em praticamente todos os hospitais universitários espalhados pelo Brasil, e que é preciso um tempo de pelo menos dois anos para avaliarmos o impacto do Mais Médicos na saúde do País.

O líder do PMDB ainda questionou Desidério sobre a conduta da ex-secretária de Saúde e ficou muito satisfeito com o que ouviu. “O diretor presidente do HU, Edson Fernandes, foi claro quando falou sobre a postura de Beatriz Dobashi. Ele ressaltou o caráter e a forma firme como Beatriz sempre conduziu a secretaria, e afirmou que ela tem o respeito de todos do setor da saúde no Estado e no País”.

Já a Presidente do Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso do Sul, Amarilis Pereira Amaral Scudellari, esclareceu que MS tem atualmente 16 mil profissionais ligados à saúde, sendo 4.3 mil enfermeiros. A presidente falou sobre o número reduzido de profissionais que hoje atuam no setor , e ainda sobre as conseqüências que essa falta de enfermeiros vem causando ao setor da saúde no Estado.

INDÍGENAS

Na próxima quinta-feira (3) os deputados ouvem o Presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena, Fernando de Souza Terena, e o Coordenador da Secretaria Especial de Saúde Indígena Nelson Carmelo.

(*) Com informações de Assessoria de Comunicação

O diretor-geral do Hospital Universitário de Dourados e a presidente do Conselho Regional de Enfermagem em Mato Grosso do Sul foram ouvidos  pelos deputados integrantes da Comissão Parlamentar de Inquérito da Saúde, Eduardo Rocha, Junior Mochi, Amarildo Cruz e Lauro Davi (Foto: Divulgação/Assecom)

Comentários