04/02/2005 16h40 – Atualizado em 04/02/2005 16h40

MS Noticias

A escola estadual pólo Professora Evanilda Maria Neres Cavassa, no bairro Miguel Couto, em Campo Grande, concluiu hoje uma semana de jornada pedagógica que teve participação de coordenadores e professores que atuam os adolescentes das Unidades de Educacionais de Internação (Uneis) do Estado.

Palestras, oficinas e dinâmicas de grupo foram desenvolvidas no decorrer da capacitação. “Os temas abordados procuravam sempre a integração com o grupo, a elevação da auto-estima do educador e a valorização do profissional”, relata uma das coordenadoras pedagógicas que atuam em Campo Grande.

A escola possui salas em Uneis da Capital, Corumbá, Dourados, Ponta Porã e Três Lagoas. Um coordenador de cada cidade do interior e os 23 professores que lecionam em unidades de Campo Grande foram capacitados.

Avaliação de docentes e palestra fizeram parte das atividades de hoje. A psicóloga e pedagoga Miriam Dantas Osório, que integra a equipe da coordenadoria de Educação Especial (COESP) da Secretaria de Estado de Educação (SED), realizou uma avaliação de personalidade dos professores que atuam nas Uneis de Campo Grande. A psicóloga explicou que a avaliação auxiliará para averiguar as qualidades necessárias para o trabalha com os alunos.

O teste aplicado buscou analisar aspectos como confiança e atitude defensiva. “Se você tem confiança, você tem crença na honestidade. Se você dúvida, tem uma atitude defensiva”, explica a psicóloga. Ordem, conformidade social e rebeldia, atividade e falta de energia, extroversão e introversão, empatia e egocentrismo foram alguns temas tratados na avaliação.

Na opinião do professor de Ciências Issac Ferreira de Meirelles, a semana pedagógica “é o tipo de atividade que todo professor deveria ter antes de iniciar o ano letivo. Para que ele siga com energia e sabendo qual é sua missão em sala de aula”. Ele acredita que, além da vontade de passar o conhecimento didático ao aluno, o professor deve passar valores e confiança aos alunos.

Enfrentamento ao preconceito

Contribuir com conhecimentos e ações que se contraponham ao estereótipo que muitas pessoas possam ter em relação aos estudantes de Uneis é um dos objetivos dessa capacitação realizada na escola. “Eles são alunos como quaisquer outros. Têm a curiosidade e as inquietações próprias da adolescência. A única diferença é o regime interno. Nada mais os diferencia dos demais”, afirma o professor Issac Ferreira de Meirelles, que leciona na Unei Dom Bosco.

A coordenadora de medidas socioeducativas da Secretaria de Estado de Trabalho, Assistência Social e Economia Solidária (Setass), a psicóloga Yara de Carvalho, a convite da direção da escola, desenvolveu outra atividade com os professores, com tema “Perfil do profissional dentro da Unei”. Ela ressaltou que a semana é apenas uma parte de um processo contínuo com esses professores para atender da melhor forma seus alunos: “É uma ação dentro do programa de processo de capacitação continuada e permanente de professores para atuarem com adolescentes em medidas sócio educativas”.

Comentários