11/09/2017 10h06

A publicitária Camilla Horizonte quase desistiu da tão sonhada festa de casamento, mas acabou conseguindo fazer com que ela coubesse no bolso. Veja como.

Da redação

Quando decidiu planejar a sua festa de casamento, a publicitária Camilla Fernandes Horizonte, 32 anos, só tinha como referência amigas que se casaram no modelo tradicional, definido por ela como “igreja, limusine, vestido caro e festa para mais de 100 convidados”. Seu caso era diferente: precisava fazer algo financeiramente mais acessível, pois ela e seu noivo bancariam a festa sozinhos.

Mas ela não imaginava como a missão seria árdua. “Nos deparamos com preços muito altos. Já estávamos pensando em fazer um jantar no salão de festas do prédio, um bolo com champanhe na igreja ou casar na Itália, mas a cotação do euro não ajudou. Não chegávamos a nenhuma conclusão. Pensamos em desistir”.

Mas ela não imaginava como a missão seria árdua. “Nos deparamos com preços muito altos. Já estávamos pensando em fazer um jantar no salão de festas do prédio, um bolo com champanhe na igreja ou casar na Itália, mas a cotação do euro não ajudou. Não chegávamos a nenhuma conclusão. Pensamos em desistir”.

O maior conselho que a publicitária dá, ainda mais em tempos de crise, no qual os fornecedores costumam realizar mais promoções, é pesquisar. “Eu recomendo conversar com pessoas que já se casaram e analisar o feedback de pessoas que já se casaram em espaços mais acessíveis, pois o barato pode sair caro”.

MINI CASAMENTO COM CARA DE FESTÃO

Camilla começou pesquisando preços de festas tradicionais e buscou o conceito de mini wedding. A publicitária imaginou que, por ser uma festa para um menor número de convidados, teria, naturalmente, um preço mais acessível. Mas levou um susto. “Vi que os valores eram altos e bem próximos aos de festas tradicionais”, conta.

Enquanto viu preços que partiam de 20 mil reais em salões de festas, espaços para festas mais intimistas, geralmente realizadas em casas pequenas e rústicas, com vários ambientes, o valor girava em torno de 40 mil reais. Uma das razões, analisa Camilla, é que essas festas menores estão fazendo sucesso. “Vi que a disputa por esses espaços já não é mais uma questão de escolha acessível, mas, sim, de busca por um local diferente”.

Dependendo do número de convidados, conta, pode sair mais barato fazer a festa em bufês tradicionais, que fazem promoções quando o casamento é para mais de 200 pessoas. “Vi casos em que uma festa completa, que inclua decoração de flores artificiais, mas não ofereça bebidas alcoólicas, pode sair por 8 mil reais”.

RESTAURANTES SÃO MAIS ACESSÍVEIS E NÃO COBRAM O ALUGUEL

Na busca por alternativas aos altos preços encontrados, Camilla e seu noivo encontraram alguns restaurantes que realizam cerimônias. “Eles cobram um valor interessante por pessoa, entre 60 reais e 120 reais. No entanto, era necessário pagar o aluguel do local, que na minha busca vi que varia de 8 mil a 15 mil reais. O preço não inclui bebidas, traje do noivo e noiva, fotos, DJ, lembrancinhas, entre outros itens básicos”.

(*) Informações com o site Exame.

A publicitária Camilla Horizonte e o designer Wesley Horizonte em sua festa de casamento em São Paulo (Erika Pugliese/Divulgação)

Comentários