31/05/2019 08h48

O certificado atesta a capacidade das empresas de fornecer produtos e prestar serviços para empresas-âncoras, como a Suzano e a Bemis, além das prefeituras de Campo Grande, Três Lagoas e Ribas do Rio Pardo.

Redação

Depois de passarem por um “choque de gestão”, mais 44 micro e pequenas empresas de Campo Grande, Três Lagoas e Ribas do Rio Pardo receberam, na noite desta quinta-feira (30/05), os certificados de conclusão do PQF (Programa de Qualificação de Fornecedores), oferecido pelo IEL e tendo o Sebrae/MS como parceiro-executor. A cerimônia, que contou com a presença de autoridades e empresários dos municípios, foi realizada no auditório do Sesi de Três Lagoas.

Na ocasião, também foi anunciada a abertura da turma de 2019, que já conta com 43 novas empresas inscritas, mas a mata é chegar a 90. O certificado atesta a capacidade das empresas que participaram de fornecer produtos e prestar serviços de acordo com as demandas e necessidades das empresas-âncoras do PQF, a Suzano e a Bemis, além das prefeituras de Campo Grande, Três Lagoas e Ribas do Rio Pardo.

Representando o presidente da Fiems, Sérgio Longen, o diretor Julião Flaves Gaúna falou sobre a relevância do PQF para fomentar as empresas e desenvolver o Estado. “As empresas trabalham muito para crescer, mas, nem sempre, detém o conhecimento necessário para se destacar em um mercado competitivo como o de hoje. E o IEL, por meio do PQF, proporciona este tipo de conhecimento para o empresário que busca evoluir em seus negócios, permitindo que ele gere mais empregos e invista mais no nosso Estado”, pontuou.

O superintendente do IEL, José Fernando do Amaral, afirmou que a etapa de certificação do PQF representa um momento único dentro do programa. “São 11 anos, o que demonstra o sucesso e os bons resultados alcançados pelas empresas que dele participam. Estas empresas que hoje demonstram confiança irrestrita no que o IEL faz, porque alcançaram, depois do PQF, um novo patamar de gestão, o que propicia a elas uma experiência para lidar de uma maneira diferenciada com momentos de crise, como o que passamos nos últimos anos”, declarou.

Além da conclusão das turmas de 2018 e abertura das turmas de 2019, o gestor do PQF no Estado e coordenador da área de desenvolvimento empresarial do IEL, Hugo Bittar, anunciou o início de um projeto piloto no âmbito do PQF, que será iniciado em Três Lagoas. “As 13 empresas que já receberam o certificado do nível avançado participarão de um projeto do nível máster do PQF, que se baseia em procedimentos de revisão dos projetos já adotados, utilizando conceitos de lean manufaturing, de forma a reduzir custos”, explicou.

A gerente do Sebrae/MS, Josi Queiroz Signori, agradeceu ao IEL por fazer parte do programa. “Estamos completando 11 anos e como resultado já foram 400 micro e pequenas empresas fornecedoras, os ganhos são imensuráveis, porque quando uma empresa se certifica, e realmente implementa um sistema de gestão, passa a ter resultados sólidos”, disse, acrescentando que esses ganhos já levaram a uma fila de novos empreendimentos interessados em participar do programa.

Âncoras

Prefeito de Três Lagoas, Angelo Guerreiro salientou a relevância do PQF para as pequenas e médias empresas da cidade. “No decorrer de 11 anos a economia municipal foi fomentada de diversas maneiras, gerando mais empregos, mão de obra qualificada, e até mesmo arrecadação, via ISSQN, o que nos permite investir mais, e oferecer mais à população”, disse.

Já o prefeito de Ribas do Rio Pardo, Paulo Tucura, destacou que o PQF é uma grande oportunidade de qualificar as empresas do município. “Ribas tem grandes perspectivas para 2019, no mais tardar 2020, para que possamos acompanhar a onda de desenvolvimento pela qual diversas regiões de Mato Grosso do Sul passam neste momento”, pontuou, parabenizando os empresários da cidade que receberam os certificados.

Representando a Prefeitura de Campo Grande, a gerente da Sedesc (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia), Patricia Saraiva Sousa de Moraes, avaliou que o PQF será o responsável por contribuir para o desenvolvimento das empresas de Mato Grosso do Sul. “As prefeituras do Estado como um todo têm se preocupado com o progresso do mercado regional, de forma a conseguir atender as grandes empresas que esperamos atrair nos próximos anos, e vemos no PQF um grande caminho para que os negócios locais consigam alcançar um patamar de excelência”, avaliou.

A coordenadora do Comitê Gestor do PQF, Renata Lima Pentagna, que é coordenadora de suprimentos da Suzano, deu as boas-vindas às empresas que vão participar do PQF em 2109. “Este número de 43 empresas que já atingimos pouco tempo depois de abrirmos as inscrições para as turmas deste ano mostra a diferença que o programa faz nas empresas por onde passa”, disse.

Rafael Procópio Ferreira, gerente de plana da Bemis, contou que, pouco depois de chegar a Três Lagoas para trabalhar na empresa, viu a diferença que o PQF faz nos negócios da cidade. “Lidamos com prestadores de serviços e fornecedores preparados para atende o padrão de qualidade da empresa, e esse nível de excelência é alcançado com o PQF”, pontuou.

Empresas certificadas

Representando a Arquivoteca de Campo Grande, que recebeu o certificado do nível avançado do PQF, Gilmar França dos Santos, afirmou que o programa teve um papel fundamental, especialmente no quesito atendimento ao cliente. “O PQF impacta diretamente nas pessoas. Abrem-se possibilidades de troca de experiências, conhecer pessoas, melhorar processos. Oferecer um bom atendimento nem sempre é uma tarefa fácil, e sei que a qualidade é o caminho para melhorar as empresas, por isso somos muito gratos aos ensinamentos que as consultorias e auditorias nos proporcionaram”, falou.

A Padrão Energia fabrica produtos metalúrgicos na Capital há 19 anos e, com o PQF, passou a conseguir atender a demanda dos clientes, conta o proprietário da empresa, Edinaldo Silva de Oliveira. “Nossos itens de fabricação própria e serviços são procurados por empresas de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso do Sul, mas não tínhamos condições de atender aos pedidos por uma questão de gestão correta. Nossa empresa, posso afirmar, passou então pelo que eu chamo de um verdadeiro choque de gestão e evoluímos em todos os aspectos”, considerou ele, que agora já se prepara para exportar para países da América do Sul.

De Três Lagoas, a empresa de Marcos Antonio Barbosa, a Otino Empreiteira, participa do PQF há sete anos, e não tem intenção de parar. “O que acontece é que precisamos evoluir sempre. E um programa como o PQF não pode ser visto como um gasto, mas como um investimento feito pela empresa, e que, por experiência própria, terá um grande retorno em diversos setores”, contou ele, que começou com dez funcionários e hoje conta com 55, prestando serviços de terraplanagem para a Suzano, por exemplo.

Como funciona o PQF

Desde que começou em Mato Grosso do Sul, em 2008, o PQF resultou na movimentação de mais de R$ 1,15 bilhão em negócios e atendeu 398 micro e pequenas empresas, que foram qualificadas para fornecer e prestar serviços às chamadas empresas âncoras, a Suzano e a Bemis, além das prefeituras de Campo Grande, Três Lagoas, Ribas do Rio Pardo. Destas, 279 já receberam os certificados, incluindo as que foram contempladas na cerimônia desta quinta-feira.

Desde então, foram 34 mil horas de consultorias, 14 mil horas em diagnósticos, avaliações e auditorias e 400 pessoas formadas como auditoras da Norma ISO9001, na qual o programa se baseia. Para que atendam com precisão às expectativas das empresas-âncora, as empresas-fornecedoras participantes do PQF passam por um detalhado processo de qualificação. Primeiro, o IEL constitui um comitê gestor local para conduzir o programa no ambiente empresarial em que ele será implementado, além da determinação de um plano de qualificação a ser desenvolvido.

Em seguida, cada empresa participante passa por uma etapa de diagnóstico, a partir de requisitos definidos pelas empresas-âncoras, e o IEL avalia quais aspectos do negócio podem ser aprimorados. Na etapa de desenvolvimento do programa, o IEL atua em duas frentes – capacitações e consultorias. As capacitações são coletivas, dirigidas a todas as empresas fornecedoras participantes, enquanto as consultorias são individuais, realizadas em cada empresa.

Então, é chegado o momento da certificação, inicialmente realizada pelo IEL de modo individual. Por meio de auditorias independentes, verifica-se se os requisitos estabelecidos para todas as áreas de gestão do programa são atendidos. A atividade de auditoria também envolve a identificação e preparação de auditores, a elaboração de procedimentos, o planejamento e a programação de auditorias para aprovação pelo comitê gestor local. As empresas fornecedoras que obtiveram aprovação no processo de certificação durante as auditorias realizadas – índice que chega a 97% das participantes.

Foto: Divulgação

Comentários