Na linha de frente desde o início da Pandemia, Davi testou positivo para Covid-19 no final do ano passado e começou um diário relatando os sintomas

Depois de testar positivo para Covid-19, o técnico em farmácia Davi Ribeiro, 28, fez um diário em seu Facebook relatando como estavam sendo os dias com os sintomas da doença. Oito dias depois, após testar negativo e saber que não estava mais transmitindo a doença, ele deu continuidade aos relatos, falando sobre as sequelas que ficaram.

Profissional que atua na linha de frente desde o início da pandemia do novo coronavírus, Davi trabalha na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) e já vinha fazendo publicações sobre o assunto. Devido à exposição a pacientes infectados, ele já perdeu a conta de quantos testes fez. “Além de trabalhar na saúde eu também tenho sinusite, então sempre que apresentava sintomas gripais eu fazia o exame. Parei de contar depois do décimo”, contou.

OS DIAS COM COVID-19
Era 22 de dezembro do ano passado e Davi foi fazer o exame depois de saber que uma amiga com quem teve contato recentemente havia testado positivo para Covid-19. Foi então que ele descobriu que havia se infectado e decidiu se expor em suas redes sociais com o objetivo de alertar amigos e colegas de trabalho que estiveram com ele no mesmo período. “Fui muito criticado por divulgar abertamente. Mas no final das contas o saldo foi positivo. Alertei quem teve contato comigo e também pude esclarecer dúvidas de muita gente que me procurou para saber sobre sintomas e outras coisas a mais relacionadas ao coronavírus”, explicou.

Foram 8 dias relatando seu estado físico e emocional até que, ao refazer o teste, ele descobriu que não transmitia mais a doença e poderia sair da quarentena. “Foi um alívio. Pude voltar a curtir minhas férias, porque além de técnico em farmácia também sou professor”, disse aliviado.

Mas não parou por aí. Apesar do teste negativo, Davi ficou com sequelas que espera superar logo. “Faz quase um mês que tive a doença e ainda estou sem olfato e paladar, ainda estou com um pouco de infiltração no pulmão – o que gera um pouco de fadiga -, mas nada grave. Estou fazendo acompanhamento médico e ansioso pela vacina”.

Ele emagreceu 6kg, teve vários dos sintomas relatados pela maioria dos infectados. Devido à perda do olfato e paladar, que ainda persistem mesmo que de forma leve, não consegue mais identificar sabores dos seus rótulos de cerveja favoritos. “Eu fiquei no isolamento ansioso por uma cervejinha. Quando fui tomar não conseguia diferenciar uma da outra”, contou em risos.

Davi ainda conta que muita coisa mudou depois de sua contaminação pelo novo coronavírus. “No começo da pandemia eu fiquei neurótico como a grande maioria e me cuidava até em excesso. Depois fui relaxando, apesar de sempre cumprir as normas estabelecidas pelos locais que frequentava. Mas agora me cuido ainda mais do que antes, torcendo pra não me contaminar novamente nem ficar com sequelas permanentes”.

O professor e também profissional da saúde deixa um recado à sociedade. “Vamos nos cuidar e torcer pela imunização de todos”, e também alertou pela importância de repetir o teste para garantir que não corre o risco de contaminar outras pessoas.

Comentários