01/09/2014 11h51 – Atualizado em 01/09/2014 11h51

Estado está entre os que apresentam a maior desigualdade de gêneros

Da Redação

Dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) mostram que o salário médio das mulheres de Mato Grosso do Sul aumentou 3,56% de 2012 para 2013 (de R$ 1.878 para R$ 1.944,82). O avanço é o 11º maior do país ou, se preferir, o 17º pior.

Já os homens de Mato Grosso do Sul vivem outra realidade: o avanço salarial de 2012 (R$ 2.122,85) para 2013 (R$ 2.230,61) foi de 5,02%. É a segunda maior variação, atrás apenas a do Pará (5,31%, de R$ 1.979,56 para R$ 2.084,62). Há, assim, dois mercados no Estado; e o dos homens, tem sido, historicamente, privilegiado em prejuízo ao das mulheres.

Esses números alargam a distância salarial entre os gêneros. Em 2012, o valor do salário médio da mulher correspondia a 88,46% ao do homem. No ano seguinte, essa equivalência caiu para 87,18%. Isso significa que o ganho feminino ficou ainda mais abaixo ao masculino.

ENTRE OS PIORES

De acordo com a Rais, em dez estados os avanços salariais dos homens foram maiores que os das mulheres. Desse grupo, Mato Grosso do Sul ocupa a terceira colocação em desigualdade de renda entre os gêneros. Só perde para o Rio de Janeiro (nesse estado, o salário médio da mulher, de R$ 2.292,14, corresponde a 77,9% do rendimento masculino, de R$ 2.942,26) e Minas Gerais (a proporção, nesse estado, é de 79,36% – a mulher recebe a média de R$ 1.683,01 e o homem, R$ 2.120,47).

(*)Com informação de Correio do Estado

As mulheres de MS continuam a receber salários menores (Foto: Arquivo / Gerson Oliveira / Correio do Estado)

Comentários