05/12/2014 12h40 – Atualizado em 05/12/2014 12h40

Manifestação começou nessa sexta-feira com o propósito de reivindicar a rescisão contratual dos funcionários

Thata Bernachi

Trabalhadores do Consórcio UFN3 interditam neste momento os dois lados da BR-262.

Segundo informações, 50 trabalhadores fazem barreira no KM 0 da rodovia, no trevo de acesso à CESP, impedindo a todos de passar pelo local, exceto ambulâncias e casos de emergência.

Uma equipe da Polícia Rodoviária Federal (PRF) está no local fazendo a segurança dos trabalhadores e usuários.

ENTENDA O CASO

Cerca de 800 funcionários do Consórcio UFN3, que foram demitidos, resolveram protestar nesta sexta-feira (05) pelo direito a rescisão contratual que ainda não foi paga pela empresa.

“Estamos sem receber desde 3 de novembro passado e demos três votos de confiança a eles [Consórcio UFN3, comandadas pela Galvão Engenharia e pela empresa chinesa Synopec) e eles não cumpriram nenhum acordo. Queremos receber nosso dinheiro hoje; negociação não adianta mais. Queremos ir embora para nossas terras [estados de origem] e não podemos; nossas famílias estão passando necessidades e não temos como mandar dinheiro”, contam os manifestantes.

Trabalhadores demitidos da UNF3 interditam a barragem da usina de Jupiá (Foto: Ricardo Ojeda)

Comentários